Joachin Hansen: “Prefiro lutar de graça do que vender minha alma”

Após a recusa de Fedor e as duras palavras de Josh Barnett sobre o presidente da organização, Dana White, mais um lutador se voltou contra a organização. O norueguês Joachin Hansen finalmente foi liberado de seu contrato com os americanos, que ficaram com seus direitos após a compra do Pride, organização na qual o lutador representou em cinco eventos.

Sem fazer nenhuma luta pelo UFC, e atualmente lutador do Shooto, o peso leve espera voltar à melhor forma, que lhe rendeu grandes vitórias, como as contra o brasileiro Gesias Cavalcanti (única derrota na carreira de JZ) e a estrela japonesa Takanori Gomi.

“Eu espero que as pessoas entendam que meus problemas (com a Zuffa) não foram por dinheiro. Eles não me trataram com honra nem mantiveram a palavra. Eu prefiro lutar de graça do que me curvar a eles. Minha alma não está à venda. Agora sou um homem livre e espero que tudo volte como era antes”, disparou o ex-lutador do Pride ao site Thefightnetwork

Deixe seu comentário