Representante da USADA chama Lyoto de negligente por caso de doping

Brasileiro havia reclamado da longa suspensão recebida pelo órgão, que rebateu chamando-o de negligente

Lyoto está suspenso até outubro de 2017. (Foto: Getty Images)

Lyoto está suspenso até outubro de 2017. (Foto: Getty Images)

Após Lyoto Machida demonstrar seu descontentamento com a punição de 18 meses recebida pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA), um representante do órgão rebateu o brasileiro e afirmou que a culpa pela suspensão é do próprio lutador, que não tomou as devidas precauções para não infringir as regras impostas.

“Toda a situação poderia ter sido evitada se o Sr. Machida tivesse usado os recursos disponíveis a ele para ver se o produto era permitido sob a política antidoping do UFC. Teria sido muito fácil, tudo o que ele tinha que fazer era visitar a GlobalDRO.com – uma fonte na qual todos os atletas se educam – e procurar por 7-keto. Ele também poderia ter falado conosco diretamente. De qualquer jeito, dentro de minutos, ele poderia ter determinado que seu produto não era seguro para se usar de acordo com o Programa”, rebateu Ryan Madden, porta-voz da Usada, em entrevista ao site “MMA Fighting” (EUA).

Veja Também

Romero quer enfrentar Anderson pelo cinturão interino (Foto: Jeff Bottari/UFC)
Romero é suspenso por dois meses por comemoração no UFC 205
Lyoto (foto) está suspenso pela USADA Foto: Josh Hedges/UFC
Suspenso por doping, Lyoto lamenta: ‘Não olharam minha intenção’
Lyoto (foto) poderá voltar a lutar em outubro de 2017. Josh Hedges/UFC
Lyoto Machida recebe suspensão de 18 meses por doping

Apesar de ter reclamado da suspensão, Lyoto e sua equipe não recorreram, aceitando, assim, a punição de um ano e meio. Segundo Madden, a atitude tomada pelo brasileiro foi para evitar maiores detalhes sobre o cado de doping.

“Acho que é totalmente possível que, devido ao grau de negligência do Sr. Machida – que, com toda honestidade, é extremamente alto -, sua equipe tenha decidido aceitar os 18 meses de punição ao invés de arriscar pegar um gancho completo de dois anos imposto por um árbitro. Além disso, como as pessoas que são familiarizadas com isso podem atestar, quando você vai a julgamento, todos os detalhes que cercam o uso da substância proibida pelo atleta são expostos ao público na decisão do árbitro, que é algo que seus conselheiros vão orientá-lo a levar em consideração. Às vezes, eu suponho, é mais fácil para o atleta – pelo menos do ponto de vista das relações públicas – aceitar a sanção e então tentar controlar a narrativa com a mídia. É infeliz, com certeza, mas é o que temos visto neste caso”, declarou.

Inicialmente, a punição para atletas flagrados no doping é de dois anos. No caso de Machida, a redução de seis meses na pena foi pelo fato do brasileiro ter assumido o uso de uma substância proibida. “O Sr. Machida tomou um produto que tinha uma substância proibida listada nos ingredientes e que o próprio nome é de uma substância que está na lista de proibidas. E vamos ser bem claros aqui, o atleta neste caso não usou nenhum dos recursos próximos a ele – recursos dos quais lhe avisamos inúmeras vezes – para determinar o status do produto antes de ingeri-lo. Por causa disso, determinamos que o grau de culpa do atleta foi alto. Entretanto, porque o Sr. Machida estava disposto a colaborar e facilitar a investigação, acreditamos que uma redução de seis meses na pena era apropriada”, concluiu.

Lyoto Machida, 38 anos, é ex-campeão meio-pesado do UFC, título conquistado ao nocautear Rashad Evans no UFC 98, em 2009. Ele chegou a disputar o cinturão dos médio contra o até então campeão Chris Weidman, no UFC 175, em 2013, mas foi superado na decisão unânime dos juízes. Ao todo, Machida soma 14 vitórias e sete derrotas no Ultimate, sendo três reveses em suas últimas quatro lutas.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário