USADA explica a absolvição de ‘Cyborg’ em caso de doping

Ryan Madden, porta-voz da organização, explicou que caso da brasileira foi uma exceção

Cyborg está livre para retornar ao octógono. (Foto: Getty Images)

Cyborg está livre para retornar ao octógono. (Foto: Getty Images)

Está cada vez mais comum atletas do UFC serem flagrados pela USADA (Agência Antidoping dos Estados Unidos) com alguma substância proibida no organismo. Como consequência, são julgados e suspensos por tempo que varia de caso para caso. No entanto, com Cris Cyborg foi diferente.

Veja Também

Cyborg se irritou com nova campeã do UFC. Foto: Josh Hedges
Cris Cyborg ironiza campeã De Randamie: ‘Postura engraçada’
Cyborg se irritou com nova campeã do UFC. Foto: Josh Hedges
Cris Cyborg recebe isenção e está livre das acusação de doping
C. Cyborg descartou duelo contra Ronda (FOTO: Jeff Bottari/ Getty Images)
Dana confirma Cyborg como primeira desafiante de De Randamie

A brasileira foi considerada inocente após testar positivo para uma substância proibida em seu exame antidoping realizado em dezembro de 2016. Como justificativa, o órgão responsável emitiu uma nota oficial para explicar as razões da exceção dada a lutadora.

“O uso da medicação dela não foi revelado inicialmente. Mas mais importante do que isso é que, ao ser contatada pela USADA, ela prontamente identificou a medicação como razão para o resultado positivo no teste. Ela forneceu todas as informações médicas requisitadas e demonstrou que estava usando para causas médicas legítimas, sem qualquer melhora em sua performance. Essas foram as considerações primárias ao revisar a aplicação do TUE (uso para fins terapêuticos)”, afirmou Ryan Madden, porta-voz da organização, em comunicado oficial enviado ao site ‘Bloody Elbow’ (EUA).

De acordo com a política antidoping da USADA, os atletas que não fornecerem informações sobre o uso de substâncias proibidas, mesmo que para tratamentos médicos, serão punidos. No entanto, o caso de Cyborg foi considerado uma exceção. Assim, a brasileira está apta a retornar ao octógono. A expectativa é que sua volta aconteça contra a holandesa Germaine de Randamie, que conquistou o cinturão inaugural do peso pena feminino ao bater Holly Holm por decisão unânime no UFC 208, realizado no último dia 11 de fevereiro.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário