Royce Gracie ainda pensa em revanche com Matt Hughes

Norte-americano deu dicas de que pensa em sair da aposentadoria, o que anima o campeão brasileiro

Primeira luta entre R. Gracie (esq) e M. Hughes (dir) foi em 2006 (Foto: Josh Hedges/UFC)

Primeira luta entre R. Gracie (esq) e M. Hughes (dir) foi em 2006 (Foto: Josh Hedges/UFC)

A notícia de que o ex-campeão meio-médio do UFC Matt Hughes pode voltar ao MMA animou uma de suas vítimas mais notórias. Campeão de três das primeiras quatro edições do Ultimate, o lendário Royce Gracie admitiu que gostaria de fazer uma revanche contra o norte-americano, para quem perdeu no UFC 60, em maio de 2006.

Veja Também

Wand vai enfrentar Sonnen em junho (Foto:Josh Hedges/UFC)
Wanderlei comemora duelo contra Sonnen: “Vou meter a porrada nele”
Coletiva pós-Brave 3 (Foto: Jason Silva/Divulgação BRAVE)
Brave deve voltar ao Brasil ainda em 2017; São Paulo pode ser o destino
McGregor está liberado para lutar boxe em Las Vegas (FOTO: Steve Marcus/UFC)
McGregor tem multa diminuída e consegue licença de boxe

Apesar de ter completado 50 anos no fim do ano passado, Gracie lutou em fevereiro de 2016, quando nocauteou outro antigo rival, Ken Shamrock, em luta pelo Bellator. E garante que não deixou de treinar e que está pronto para entrar em ação novamente nas regras do MMA.

“Todo mundo quer ver essa segunda luta. Na primeira vez, eu não estava na luta. A estratégia estava certa, tudo o que planejamos e imaginamos, ele fez, mas eu não estava na luta (…) Nunca parei de treinar. Meu corpo está em grande forma, a máquina está funcionando e só há uma maneira de descobrir (quem venceria o duelo): temos que fazer isso de novo. Se você quiser lutar comigo agora, eu vou te encontrar lá. Quando você é um lutador, tem que estar pronto o tempo todo. Não tem essa de “eu preciso de mais um mês”. Quando você é lutador, toda hora é hora de lutar. Ou você é um guerreiro ou não é – comentou Gracie, ao site norte-americano MMA Fighting.

Hughes, de 43 anos, sete a menos que Royce, se despediu do MMA em 2013, após perder para Josh Koscheck por nocaute, no UFC 135. Ele era dirigente do UFC até o fim do ano passado, quando foi demitido após a WME-IMG assumir o controle do evento.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário