UFC 210: Cormier finaliza Johnson, defende cinturão e aposenta rival

Assim como na primeira luta, Cormier manteve o cinturão dos meio-pesados ao finalizar Johnson, que se aposentou do MMA

Cormier manteve seu cinturão ao finalizar Johnson no UFC 210 (Foto: Josh Hedges/UFC)

Cormier manteve seu cinturão ao finalizar Johnson no UFC 210 (Foto: Josh Hedges/UFC)

Daniel Cormier provou, mais uma vez, que com Jon Jones fora de ação, a categoria dos meio-pesados (até 93kg) tem um novo campeão dominante. Com uma atuação segura, DC manteve o cinturão da divisão ao derrotar Anthony Johnson por finalização (mata-leão) aos 3m37s do segundo round, na luta principal do UFC 210, realizado neste sábado (08), em Buffalo (EUA).

Veja Também

Cormier finalizou Johnson no segundo round (Foto: Josh Hedges/UFC)
Vídeo: Assista os melhores momentos de Daniel Cormier x Anthony Johnson
Mousasi (dir) venceu Weidman (esq) em luta polêmica (Foto: Josh Hedges/UFC)
Vídeo: Veja o polêmico nocaute de Mousasi em Weidman no UFC 210
Pitbull
Thiago Pitbull e Do Bronx garantem vitórias brasileiras no UFC 210

Essa é segunda vitória de Cormier sobre Johnson em disputa de título. A primeira ocorreu em maio de 2015, no UFC 187, quando finalizou ‘Rumble’ e conquistou o posto vago de número 1 até 93kg.

Após o combate, Johnson anunciou, ainda no octógono, sua aposentadoria do MMA. Ele deixa o esporte com um cartel de 22 vitórias e seis derrotas.

“Não tenho desculpas, perdi a luta para um cara melhor. DC é muito talentoso e parabéns para ele. Isso é algo que tenho que fazer para mim, amo os fãs e esta é minha última luta. Ainda não falei para Dana White, não falei para ninguém, não queria nenhuma distração. Me comprometi com outro trabalho, algo que queria fazer há muito tempo, diferente de MMA, estou cansado de levar socos. (…) Não tem nada divertido em levar socos. Mas teria que ser aqui, nesse lugar maravilhoso. Vocês respeitaram meu trabalho e muito obrigado!”, declarou Johnson.

Cormier, por sua vez, chegou ao seu 19º triunfo em 20 lutas realizadas. Sua única derrota aconteceu diante de Jon Jones, em janeiro de 2015. Na entrevista pós-luta, Cormier bateu boca com Jimi Manuwa e ‘Bones’, seu desafeto declarado, que estavam presente na arquibanca.

“Falei para Manuwa para ele tentar vir me derrubar. Não fique mentindo para si mesmo. Você não vai conseguir. Quem mais? Jon Jones pode lutar? Ele está autorizado a lutar? Quando ele ajeitar a sua vida, me procure. Você me ganhou na primeira vez, mas podem me deixar trancados aqui dentro. Somos muito diferentes e ele tem que ajeitar sua vida primeiro”, disparou o campeão.

A luta 

Johnson começou o combate colocando pressão no campeão, que se encurralava contra a grade. O desafiante tentou levar a luta para o chão, mas Cormier fez boa defesa e permaneceu em pé. Com a luta no clinche, DC conseguiu reverter a posição e prensou Anthony na grande, caçando os braços do rival. O duelo seguiu truncado, sem muita efetividade de ambos os lados até o final do round, para o descontentamento do público presente.

Daniel voltou para a segunda etapa soltando um chute alto, que parou na guarda do desafiante. O campeão foi para as pernas do rival e tentou a queda, mas Johnson conseguiu se livrar e ficou em pé. Assim como no primeiro round, o combate voltou a se desenrolar no clinche, com os dois disputando posição. De maneira surpreendente, Johnson aplicou uma queda em Cormier, que rapidamente se levantou e respondeu na mesma moeda. Nas costas do rival, DC passou a golpear o rival, que apenas se defendia. Após Johnson tentar se levantar, Cormier laçou o pescoço do oponente e encaixou o mata-leão, decretando mais uma vitória para sua carreira.

Mousasi nocauteia Weidman em duelo polêmico 

Mousasi (dir) venceu Weidman (esq) em luta polêmica (Foto: Josh Hedges/UFC)

Mousasi (dir) venceu Weidman (esq) em luta polêmica (Foto: Josh Hedges/UFC)

Em duelo bastante polêmico, Gegard Mousasi se consolidou como um dos principais nomes da elite do peso médio ao derrotar Chris Weidman por nocaute técnico aos 3m31 do segundo round, após o médico do evento decretar que o ex-campeão não tinha condições de voltar ao duelo depois de receber duas joelhadas na cabeça. Esse foi o quinto triunfo consecutivo do holandês, que vinha de vitórias sobre Thales Leites, Thiago Marreta, Vitor Belfort e Uriah Hall.

“Vi que ele levantou as mãos na segunda joelhada. Não é minha culpa, eu queria continuar. Eu queria lutar, não queria criar um problema. Peço desculpas ao Weidman, não tenho nada contra ele, uma pena ter acontecido isso”’, declarou Mousasi, ainda no octógono.

Já Weidman segue atravessando a pior fase da carreira. O ‘All American’ não sabe o que é vencer desde maio de 2015, quando nocauteou Vitor Belfort no UFC 187. De lá para cá, foi nocauteado por Luke Rockhold, Yoel Romero e Mousasi.

“”Desculpem por isso tudo ter acontecido. Acho que foi uma joelhada ilegal, por que eles teriam parado a luta? Eu estava com as mãos no chão. Queria dizer para vocês que voltei, ainda mais depois de tantas dificuldades, mas eu sinto muito. Amo Nova York e não acredito que isso esteja acontecendo. Eu quero voltar”, disse Weidman, visivelmente emocionado.

O duelo começou com ambos se movimentando no centro do octógono, mas sem muita ação. Mousasi conectou um limpo jab no resto do ex-campeão, que respondeu com um chute na linha de cintura. Weidman foi para as pernas do adversário e levou a luta para o chão. Ao tentar se levantar, Gegard deixou o pescoço exposto, e por pouco não caiu em uma chave de mão do americano. Os dois ficaram novamente em pé, mas por pouco tempo, uma vez que Chris aplicou nova queda, mas Mousasi, ficou em pé de novo. Weidman acertou um bom direto no rival, que tentava responder na mesma medida. Nos segundos finais, Mousasi se desequilibrou e caiu, mas Weidman não teve tempo para trabalhar por cima.

Mousasi voltou agressivo para a segunda etapa, desferindo uma saraivada de golpes no americano, que sentiu e ficou acuado contra a grade. Contudo, ao invés de prosseguir atacando, Gegard tentou quedar, mas foi bloqueado pelo rival, que conseguiu se recuperar. O ‘All American’ levou a luta para o chão mais uma vez, caindo por cima do adversário. Após raspar, Weidman foi para a montada e tentou pegar as costas, mas Mousasi se defendeu de maneira correta e ficou em pé. Na sequência, Gegard aplicou uma joelhada na cabeça do ex-campeão, inicialmente considerada ilegal pelo árbitro John Miragliotta. Contudo, ao analisar o replay, foi confirmado que Weidman não estava com as duas mãos apoiadas no solo, validando os golpes do holandês.

Com a luta parada, o médico do combate foi novamente examinar Weidman, e alegou que o ex-campeão não tinha condições de luta, decretando, assim, a vitória de Gegard Mousasi por nocaute técnico.

Dominante, Calvillo finaliza Gonzalez no terceiro round 

Calvillo (dir) derrotou Gonzales (esq) no UFC 210 (Foto: Josh Hedges/UFC)

Calvillo (dir) derrotou Gonzales (esq) no UFC 210 (Foto: Josh Hedges/UFC)

De maneira dominante, Cynthia Calvillo fez jus ao seu favoritismo e derrotou Pearl Gonzalez por finalização (mata-leão) aos 3m45s do terceiro round, em combate válido pela categoria peso galo feminino. Essa foi a segunda vitória de Calvillo por finalização em menos de um mês – havia vencido Amanda Bobby Cooper no UFC 209, em março passado. Ela venceu as cinco lutas que fez como profissional. Gonzalez, que fazia sua estreia no Ultimate, perdeu pela segunda vez em seis lutas.

UFC 210:

CARD PRINCIPAL

Peso meio-pesado: Daniel Cormier derrotou Anthony Johnson por finalização (mata-leão) aos 3m37s do R2

Peso médio: Gegard Mousasi derrotou Chris Weidman por nocaute técnico aos 3m31s do R2

Peso palha: Cynthia Calvillo derrotou Pearl Gonzalez por finalização (mata-leão) aos 3m45s do R3

Peso meio-médio: Thiago Pitbull derrotou Patrick Cote  por decisão unânime dos juízes (30×27, 30×27, 30×27)

Peso leve: Charles do Bronx derrotou Will Brooks por finalização (mata-leão) aos 2m30s do R1

CARD PRELIMINAR

Peso pena: Myles Jury derrotou Mike de la Torre por nocaute técnico aos 3m30s do R1

Peso meio-médio: Kamaru Usman derrotou Sean Strickland por decisão unânime dos juízes (30×27, 30×26, 30×26)

Peso pena: Shane Burgos derrotou Charles Rosa por nocaute técnico aos 1m59s do R3

Peso meio-pesado: Patrick Cummins derrotou Jan Blachowicz por decisão majoritária dos juízes (29×28, 29×28, 28×28)

Peso leve: Gregor Gillespie derrotou Andrew Holbrook por nocaute técnico aos 21 segundos do R1

Peso leve: Desmond Green derrotou Josh Emmett por decisão dividida dos juízes (29×28, 28×29, 30×27)

Peso galo: Katlyn Chookagian derrotou Irene Aldana por decisão dividida dos juízes (29×28, 28×29, 29×28)

Peso mosca: Magomed Bibulatov derrotou Jenel Lausa por decisão unânime dos juízes (29×26, 29×26, 29×26)

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário