Árbitro se defende por interrupção em luta de Jacaré: ‘Sigo as regras’

Mario Yamasaki foi criticado por interromper a luta de Jacaré, nocauteado por Robert Whittaker no último sábado

Yamasaki explicou porque optou em parar lutar de Jacaré (Foto: Josh Hedges/UFC)

Yamasaki explicou porque optou em parar lutar de Jacaré (Foto: Josh Hedges/UFC)

A derrota de Ronaldo Jacaré para Robert Whittaker no UFC Kansas, realizado no último sábado (15), causou polêmica. De acordo com as opiniões de muitos fãs de MMA, a interrupção do árbitro Mario Yamasaki foi precipitada, uma vez que o brasileiro esboçou reação ao virar para o posição de quatro apoios, enquanto continuava recebendo golpes do australiano. Contudo, Yamasaki fez questão de afirmar que não se considera errado no lance, e ressalta que está apenas seguindo as regras.

Veja Também

Jacaré agora é o quinto colocado dos médios (Foto: Mike Roach/UFC)
Jacaré descarta dar ‘desculpas’ por derrota e garante volta por cima
Whittaker vem de sete vitórias consecutivas no UFC (Foto: Josh Hedges/UFC)
Após nocautear Jacaré, Whittaker traça objetivo: ‘Quero o cinturão’

“Eu converso com muita gente sobre o Gary Goodridge, Eder Jofre e Maguila, que sofrem de demência pugilística. As pessoas não sabem como é perigoso levar socos desnecessários. Estou seguindo a minha ética e também a comissão atlética. Todos na comissão atlética ressaltaram o meu trabalho, mas os fãs não gostaram. Eles dizem que eu não gosto de brasileiros, blá blá blá. Mas eu sou o árbitro, eu tenho que seguir as regras”, declarou o árbitro, em entrevista ao site ‘MMA Fighting’ (EUA).

Yamasaki também chamou a atenção para as diferentes visões que existem entre o juiz, dentro do octógono, e os fãs. Para ele, quem está de fora não consegue perceber os detalhes que influenciam nas decisões.

“Assistindo na televisão, você pode ficar com a impressão de que eu poderia ter deixado a luta correr um pouco mais. No entanto, vocês não podem ver os olhos do atleta. Ele estava machucado, só levaria mais golpes e foi a minha decisão ter a certeza de que ele estaria seguro uma vez que ele não tinha mais como se defender”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário