Ponzinibbio desafia Magny: ‘Posso vencer qualquer um da categoria’

Vindo de quatro vitórias consecutivas, 'Argentino Gente Boa' quer enfrentar Neil Magny, 6º no ranking dos meio-médios

Ponzinibbio vem de quatro vitórias consecutivas (Foto: Buda Mendes/UFC)

Ponzinibbio vem de quatro vitórias consecutivas (Foto: Buda Mendes/UFC)

Vivendo a melhor fase da carreira, Santiago Ponzinibbio entrou no ranking dos meio-médios após quatro vitórias consecutivas na categoria, mas o argentino quer alçar voos maiores. Atualmente o 14º da lista, o atleta da American Top Team desafiou Neil Magny, o 6º, para provar que tem condições de derrotar qualquer adversário da divisão.

Veja Também

Theodorou (esq) e Tavares (dir) se enfrentam em julho. (Fotos: UFC/Montagem: Super Lutas)
Elias Theodorou enfrenta Brad Tavares no TUF Finale 25, em julho
Johnson (esq) cogitou superluta contra McGregor (dir) (Fotos: UFC/Montagem: Super Lutas)
Após igualar recorde de Spider, Johnson quer superluta contra McGregor
Cyborg deve disputar o cinturão em sua próxima luta (Foto: Getty Images/UFC)
Cris Cyborg anuncia luta por cinturão no UFC 214, mas apaga postagem

“Sou consciente que posso lutar com qualquer um dos pesos-meio-médios. Claro que vamos crescendo, ficando mais maduros e, hoje, me sinto confiante, muito bem preparado para ficar frente a frente com qualquer atleta. Sei que ele (Magny) é o número 6 da divisão, respeito muito ele, mas tenho plenas condições de derrotá-lo. Estou muito bem preparado. Vou estar pronto, se o UFC me der essa chance. Estou preparado para ganhar dos melhores e quero que o povo veja isso. Acho que tenho totais condições de ser o número 1 dessa categoria. Estou nesse caminho e quero que o UFC me dê boas lutas para seguir crescendo. Estou muito bem treinado, feliz com meus rendimentos e quero uma grande luta”, declarou, em entrevista ao site ‘Combate.com’.

Questionado sobre a razão por ter escolhido Magny, Santiago garantiu que um duelo contra o norte-americano seria atrativo para os fãs, e aproveitou para elogiar as qualidades do possível próximo adversário.

“Escolhi o Neil Magny porque ele é um cara que está bem ranqueado, não tem uma luta marcada e estou precisando lutar. Também já estou dentro do ranking dos meio-médios e tenho demonstrado meu bom trabalho, ganhando de atletas muito duros, evoluindo a cada dia, mais técnico e mais maduro como atleta. Ele é um ótimo lutador, ganhou de caras duríssimos, como Kelvin Gastelum, Erick Silva, Hector Lombard e Johny Hendricks, que é ex-campeão da divisão. Ele tem um bom jiu-jítsu, é bem versátil e, por isso, acho que seria uma boa luta. Tenho que mostrar ao mundo que estou aqui para lutar e ganhar dos melhores. Acho que pode ser um combate atrativo, ele tem bom condicionamento físico, tenta o nocaute ou a finalização e é um cara que gosto de ver lutar. E eu também sou assim: agressivo, busco o domínio do duelo. Seria uma boa luta e, se o UFC marcar, não vai se arrepender”, afirmou Ponzinibbio, que completou dizendo que gostaria de voltar a lutar no Brasil, país no qual já realizou três lutas pelo Ultimate.

“Quando a empresa marcar, estou pronto. Faz muito tempo que não luto no Brasil e, claro, gostaria de estar no card de junho. Amo esse país, tenho um carinho muito grande pelos brasileiros e competir no Brasil não seria nada mal. Mas eu não sei se dá para entrar no card de junho. Agora, quando o UFC decidir me colocar para lutar, vou estar pronto. Já estou treinando bem forte e, se Deus quiser, logo estarei lutando de novo no Brasil”, concluiu.

Santiago Ponzinibbio, 30 anos, foi finalista do TUF Brasil 2, mas foi impedido de lutar na final do programa após se lesionar. No Ultimate, já são oito combates realizado, com seis vitórias – três por nocaute – e duas derrotas.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário