Alvarez admite ter ficado abalado após derrota para McGregor: ‘Precisei me perdoar’

Ex-campeão peso leve do UFC, Alvarez não luta desde novembro de 2016, quando foi nocauteado por McGregor no UFC 205

Eddie Alvarez

Já se passaram seis meses desde o histórico UFC 205, evento realizado dia 12 de novembro de 2016, mas Eddie Alvarez ainda se incomoda ao relembrar o fatídico dia. Na ocasião, o ex-campeão peso leve do Ultimate perdeu o cinturão ao ser nocauteado por Conor McGregor. De acordo com o próprio lutador, o trabalho de recuperação após a derrota foi bem difícil.

Veja Também

Iaquinta vem travando uma 'guerra' com o UFC. (Foto: Reprodução/Youtube)
Após criticas ao UFC, Iaquinta está proibido de receber prêmio de bônus
Belfort garantiu que não irá pendurar as luvas (FOTO: Laerte Viana/Super Lutas)
Vitor Belfort posta foto em treino ao lado de St. Pierre, no Canadá

“Voltar a novembro é difícil. Estaria mentindo se eu dissesse que logo depois já voltei aos treinos. Eu precisei de um tempo sério para respirar. Precisei me perdoar. Sou meu pior crítico, então eu fiquei muito desapontado e irritado comigo mesmo no Madison Square Garden. Eu dei um tempo maior do que gostaria. Gostaria muito de apenas voltar e já superar, mas foi difícil. Foi difícil para mim. Eu coloquei muito nisso então foi complicado, mas estamos superando e estou tendo bom momento nos treinos e me divertindo”, garantiu o americano em entrevista ao podcast ‘The Luke Thomas Show’.

Alvarez volta ao octógono neste sábado (13), quando enfrenta Dustin Poirier no UFC 211, em Dallas (EUA). Segundo Eddie, a pressão para retornar ao caminho das vitórias não irá influenciar sua performance.

“Acho que tem um ar de liberdade depois que seu pior pesadelo se torna realidade. Como lutador, seu pior pesadelo é ser nocauteado diante de milhões de pessoas. É como sonhar em acordar nu em uma sala de aula. Então tirando isso do caminho, existe uma liberdade para mim. Nunca pensei que isso fosse acontecer. Nunca imaginei acontecer comigo, mas aconteceu e eu percebi que nada mudou. Minha família continua aqui, meus amigos ainda estão aqui. Eu continuo a mesma pessoa. Todos querem apenas que eu lute novamente e vá bem de novo. Então existe uma liberdade aí”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário