Miocic admite nervosismo antes de revanche com Cigano no UFC 211

Atual campeão dos pesos pesados garante que o nervosismo antes das lutas faz bem para os lutadores

Miocic fará sua segunda defesa de título no UFC 211 (Foto: Divulgação/Twitter UFC Brasil)

Miocic fará sua segunda defesa de título no UFC 211 (Foto: Divulgação/Twitter UFC Brasil)

Stipe Miocic não tem vergonha de admitir que se sente nervoso antes de seus duelos. Prestes a colocar seu cinturão em jogo mais uma vez neste sábado (13), quando enfrenta Junior Cigano na luta principal do UFC 211, em Dallas (EUA), o campeão dos pesos pesados não titubeou ao garantir que fica emocionalmente abalado na véspera de seus combate. Contudo, ele garante que o sentimento é necessário para os lutadores.

Veja Também

Miocic (esq) e Cigano (dir): respeito entre os dois (Foto: Reprodução Instagram Júnior Cigano)
Cigano e Miocic fazem encarada amigável antes de duelo pelo cinturão
Cejudo (esq) e Pettis (dir) não vão mais se enfrentar no UFC 211 (Foto: Reprodução/Youtube)
Cejudo se lesiona e luta contra Pettis é retirada do card do UFC 211

“Eu estou nervoso e não tem como (não estar). Sempre fico nervoso. Se você não fica nervoso, você não está pronto. Vou entrar lá e tenho um grande nome a enfrentar, mas não importa quem está na minha frente. Sempre entro nervoso, mas essa sensação tem melhorado ao longo do tempo. Você nunca sabe o que vai acontecer, então vou entrar lá, fazer a minha parte e tomar cuidado”, declarou, durante o “Media Day” promovido pela organização, nesta quarta-feira (10).

Campeão do UFC há um ano – ele tomou o título de Fabricio Werdum ao nocauteá-lo em maio do ano passado, em Curitiba -, Miocic soma 18 lutas na carreira, o que o faz controlar os ânimos. Entretanto, revela que no início de sua carreira, onze anos atrás, ficava realmente muito nervoso antes de entrar no cage.

Aos 34 anos, Miocic admite que foram precisas muitas lutas para conseguir controlar seus sentimentos. De acordo com o campeão, no início de carreira o ‘medo’ de entrar no octógono era ainda pior.

“Eu ficaria assustado se não tivesse esse nervosismo pré-luta. Alguns lutadores talvez não tenham, o meu tem diminuído ao longo dos anos. Quando comecei era horrível. Eu entrava caminhando pela arena até o octógono, com as pessoas me vaiando e pensava: “Por que estou fazendo isso?”. Mas hoje as coisas melhoraram e, quando entro no octógono, não consigo mais sair”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário