Miocic admite hesitação por não querer ‘machucar’ Cigano

Campeão diz que olhou para o árbitro após conectar soco que derrubou brasileiro, pois não queria dano 'desnecessário'

S. Miocic (dir) não perdoou J. Cigano (esq) (Foto: Reprodução/Twitter UFC Brasil)

S. Miocic (dir) não perdoou J. Cigano (esq) (Foto: Reprodução/Twitter UFC Brasil)

Um dos homens mais temidos do mundo, o campeão peso pesado do Utimate, Stipe Miocic, mostrou seu lado mais suave na coletiva pós-UFC 211, quando defendeu seu cinturão pela segunda vez ao nocautear Júnior Cigano ainda no primeiro round. Ao ser perguntado sobre ter hesitado após conectar o soco que derrubou o brasileiro, o croata-americano admitiu que não queria machucar o oponente “desnecessariamente”.

Veja Também

S. Miocic (dir) vem de vitória sobre J. Cigano (esq) (Foto: Reprodução/Twitter UFC Brasil)
Vídeo: Assista o nocaute de Miocic sobre Júnior Cigano no UFC 211
J. Cigano (foto) foi cortês com S. Miocic Foto: Reprodução/Youtube
Cigano lamenta derrota, mas elogia Miocic: ‘Representa bem o MMA’
S. Miocic (dir) vem de vitória sobre J. Cigano (esq) (Foto: Reprodução/Twitter UFC Brasil)
Nocaute sobre Cigano rende bônus extra a Miocic no UFC 211

Os dois lutaram anteriormente, em dezembro de 2014, quando Cigano venceu por decisão, e Miocic lembrou do primeiro duelo com o brasileiro ao explicar seu apreço pelo rival. Os dois se elogiaram mutuamente antes e depois da revanche.

“Eu sei que o acertei com uma boa direita e, quando ele caiu, não estava se movimentando. Por isso, olhei para o ábitro. Mas você sabe que Dos Santos é muito duro. Olha o que ele fez da última vez. Lutamos por 25 minutos e foi um inferno. Eu sabia o que o árbitro estava fazendo. Mas ele não estava se movimentando. Eu não queria danos desnecessários. Mas é uma luta e sei que ele faria o mesmo comigo”, justificou Miocic.

O croata-americano ainda credita a primeira luta entre os dois como a que lhe deu confiança o suficiente para buscar o título mundial. Desde a derrota para Cigano, Miocic vem de cinco vitórias seguidas, incluindo triunfos sobre Fabricio Werdum e Alistair Overeem.

“Eu tento não pensar naquela luta, porque foi uma noite terrível. Meus olhos ficaram fechados, precisei tomar 16 pontos no lábio. Mas acabo pensando sempre nela. Eu, na verdade, quero agradecê-lo, pois sem ele, eu não estaria aqui hoje. Cigano me deu a confiança que eu precisava, a confiança de que eu podia vencer qualquer pessoa no mundo, de que eu posso ser campeão do mundo por muito tempo”, encerrou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário