Masvidal compara derrota para Demian a uma doença venérea

Norte-americano diz que revés foi o mais doído de sua carreira, mas diz ter aprendido com o brasileiro

Masvidal também elogiou D. Maia (Foto: Reprodução/Youtube)

Masvidal também elogiou D. Maia (Foto: Reprodução/Youtube)

O norte-americano de origem cubana Jorge Masvidal inovou ao descrever o sentimento após a derrota para Demian Maia no UFC 211 do último dia 13 de maio. Após ser dominado pelo brasileiro no chão, “Gamebred” disse que o revés doía como uma “doença venérea”.

Veja Também

Dana lamentou situação de Anderson (Foto: Reprodução/Youtube UFC)
Dana White, sobre agressão de Cyborg: ‘Foi muito sério’
Jedrzejczyk quer atuar em Hollywood (Foto: Facebook/UFC)
Joanna pode seguir passos de Ronda e se tornar atriz de Hollywood
Khabib de olho em retorno (Foto: Reprodução/Instagram K. Nurmagomedov)
Khabib mira retorno ao UFC em outubro e quer título interino

“Queima, cara. Essa derrota queima como uma doença venérea. Sempre que vou urinar, queima. Mas não é por um problema de saúde, é por esta derrota. Foi a mais doída da minha carreira. Sempre que perco, é por decisão dividida, mas das outras vezes, a raiva ficou com os juízes laterais, agora a frustração é comigo. Pessoalmente, é a derrota que mais me incomoda”, comentou Masvidal, em entrevista ao programa norte-americano “The MMA Hour”.

Apesar da comparação curiosa, o meio-médio fez questão de elogiar o adversário. Masvidal se disse surpreso com a força de Demian, que passou grande parte de sua carreira na categoria de cima e agora vem com sete vitórias consecutivas até 77 kg. A meia-guarda de Maia também foi digna de aplausos, segundo “Gamebred”.

“A força dele me surpreendeu. Sabe, eu fico irritado o dia inteiro quando alguém consegue me segurar 10 segundos no treino. Ele me dominou por oito minutos. Eu fiquei muito irritado, mas ele é muito forte. E sua meia-guarda também é perigosa demais, ele está sempre tentando raspagens e ataques por ali. Nunca senti isso e olha que treino com campeões mundiais e lutadores de nível ADCC (maior competição de luta agarrada do mundo). É muito específico para o MMA, na verdade, foi um prazer, pude aprender coisas novas”, exaltou Masvidal.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário