Após vitória nos meio-médios, Dos Anjos ressalta calma por cinturão: ‘Não tenho pressa’

Ex-campeão dos leves, Dos Anjos estreou nos meio-médios com vitória sobre Tarec Saffiedine no UFC Singapura, no último sábado

Dos Anjos estreou com vitória no meio-médio (Foto: Reprodução Facebook UFC)

Dos Anjos estreou com vitória no meio-médio (Foto: Reprodução Facebook UFC)

Rafael dos Anjos começou com o pé direito sua trajetória nos meio-médios (até 77kg). Ex-campeão dos leves (até 70kg), o brasileiro estreou na nova categoria derrotando Tarec Saffiedine por decisão unânime no UFC Singapura, no último sábado (17). Apesar do início vitorioso, Dos Anjos garante que não tem pressa para uma nova disputa de cinturão, e ressalta que irá chegar ao topo aos poucos, sem pular etapas.

Veja Também

Dos Anjos (foto) já desmaiou em corte de peso Foto: Reprodução/Twitter/UFC
Em nova categoria, Rafael dos Anjos vence Saffiedine no UFC Singapura
Holm (esq.) venceu Bethe no UFC Singapura. Foto: Reprodução/Twitter/UFC_Europe
Bethe Pitbull provoca, mas sofre nocaute avassalador de Holly Holm

“Na primeira luta no meio-médio vencer o 10º (na verdade, o 11º) do ranking é bom, mas falando em cinturão, têm muitos caras à minha frente. Não tenho pressa, não quero atalhos, vou passo a passo, mas a caminho do meu objetivo. Sempre procuro ser o melhor. Com certeza quero esse cinturão um dia, mas passo a passo (…). Vamos ter Cerrone x Robbie Lawler, Tyron Woodley vai enfrentar o Demian Maia, e não tenho ninguém em mente agora. Quero enfrentar caras mais acima de mim, caras que vão me colocar um passo à frente na divisão, não quero andar para trás”, afirmou, na coletiva depois da luta.

Durante os 15 minutos de luta, Rafael imprimiu uma forte pressão sobre Saffleidine, que pouco perigo ofereceu. De acordo com ele, a estratégia era exatamente essa, uma vez que o belga não lida bem quando é encurralado pelos adversários.

“Estudamos seu jogo muito bem, sabíamos que ele gosta de lutar no clinche, e sabia que ele não lida bem com pressão. E pressão é meu forte. Trabalhei muito no clinche do muay thai com meu técnico Eduardo Pamplona, e isso funcionou bem. Eu o derrubei e fiquei por cima. Acho que ganhei a maior parte das trocas de golpes. Vou voltar para casa, rever a luta e continuar a melhorar”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário