Empresário de Demian lamenta tempo de preparo para Woodley

Eduardo Alonso ainda avaliou como boas as chances do seu cliente para o duelo contra o campeão no UFC 214

D. Maia (foto) enfrenta T. Woodley no UFC 214 (Foto: Reprodução/ Twitter/UFC)

D. Maia (foto) enfrenta T. Woodley no UFC 214 (Foto: Reprodução/ Twitter/UFC)

O brasileiro Demian Maia descobriu apenas no meio de junho que teria sua chance pelo cinturão meio-médio contra o campeão Tyron Woodley. A luta acontece no fim de julho, o que significa que o brasileiro terá pouco tempo para se preparar para a grande luta de sua carreira. Empresário do campeão mundial de jiu-jitsu, Eduardo Alonso lamenta o pouco tempo de preparação, mas diz que as chances do seu cliente contra o campeão meio-médio são boas.

Veja Também

Mousasi agora é do Bellator (Foto: Reprodução/Facebook/UFC)
Mousasi critica patrocínio único ao falar sobre saída: ‘A Reebok é ruim para o UFC’
R. Whittaker é campeão interino dos médios (Foto: Reprodução/Facebook/UFC)
Whittaker estreia no ranking peso por peso e Werdum cai nos pesados
Duelo vai acontecer dia 9 de setembro (Foto: Reprodução/Facebook UFC-Montagem SL)
Duelo entre Ketlen Vieira e Sara McMann é remarcado para o UFC 215

“Acho que o Demian merecia o tempo adequado para treinar. Essa chance não caiu no colo dele, ela foi conquistada. É irônico que em 26 lutas do Demian no UFC essa vai ser – de longe – a que ele vai ter menos tempo para se preparar (…) Acho que o Woodley é um cara, sem querer ser mal interpretado, fácil de mapear. Ele tem duas ou três armas e acabou. Mas essas armas dele são muito boas e perigosas. Então mesmo ele sendo fácil de se mapear, não se pode ter margem de erro com ele. O Demian tem condição de colocar para baixo qualquer um, inclusive o Woodley. Ele é um cara fácil de se mapear, mas a execução da estratégia pra ele tem que ser perfeita”, declarou Alonso, em entrevista ao podcast “MMA Ganhador”, admitindo que, anos atrás, Demian já teria tido sua chance pelo título há algum tempo.

“Cheguei em um ponto, e acredito que o Demian também – pode até parecer piada – mas as coisas foram tão difíceis que começamos a nos importar até menos com o cinturão. Você começa a perceber que não depende mais do teu trabalho e do mérito esportivo. A maior ameaça a chance do Demian foi o estado atual do nosso esporte. Anos atrás ele já teria disputado o cinturão com muito menos”, comentou.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário