Anderson desabafa: “Não represento um clube, mas o Brasil”

Campeão não gostou das vaias após sua vitória contra Okami

Anderson Silva mostrou neste sábado porque é considerado o maior lutador de MMA do mundo. O brasileiro precisou de apenas dois rounds para nocautear o japonês Yushin Okami, na luta principal do UFC Rio, e defender com sucesso o cinturão dos pesos médios da organização. Mas após o triunfo, o “Spider”, como é conhecido, teve de ouvir vaias e protestos do público contra o Corinthians, time que o patrocina.

Leia também:

Anderson Silva comanda festa brasileira do UFC Rio

Na entrevista coletiva depois do evento, Anderson reclamou a atitude da torcida e comentou a polêmica relação entre lutadores de MMA e clubes de futebol, que, segundo o campeão, não é levada da maneira correta pelos fãs.

“Nós não estamos aqui para defender a bandeira de um clube, mas do Brasil. Eu represento o Corinthians, o Minotauro o Inter e o Flamengo vai acabar fechando com o Jose Aldo (campeão dos pesos penas do UFC e torcedor do Flamengo). Enquanto a torcida nos vaia, a gente acaba treinando junto e representando o Brasil no mundo inteiro”, reclamou Anderson

“O público tem que entender que essa combinação dos clubes em apoiar o MMA é importante porque nos tornamos uma referência para as crianças do Brasil. Os fãs têm que entender que nos podemos mudar muita coisa em nosso país”, completou o campeão.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário