Jiri Prochazka descarta Ankalaev e reforça desejo de revanche contra Glover Teixeira

O atual campeão dos meio-pesados elogiou o lutador russo, mas enfatizou que a sua vontade é enfrentar novamente o antigo dono do cinturão

G. Teixeira (esq.) encara J. Prochazka (dir.) antes de luta no UFC 275. Foto: Reprodução/Instagram

No que depender do campeão dos meio-pesados (até 93kg) Jiri Prochazka, Magomed Ankalaev terá que esperar um pouco mais para poder lutar pelo cinturão. Em entrevista à ‘ESPN Deportes’, o lutador tcheco reforçou o desejo de dar uma revanche ao brasileiro Glover Teixeira e sugeriu um possível oponente para o atleta russo.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“Ofereci a revanche para o Glover porque eu fiquei insatisfeito com a minha performance e eu venci faltando 20 segundos para o fim da luta. Eu acho que Glover merece a luta. Eu sei que tem outros caras na divisão, como (Jan) Blachowicz e (Magomed) Ankalaev, que são bons também. Mas, para mim, não importa quem vai ser o próximo oponente. Eu ofereci a revanche ao Glover porque eu acho que ele merece. Nós conversamos sobre isso e eu quero lutar no final do ano ou algo assim. Estamos negociando”, disse Prochazka.

Questionado sobre a possibilidade de enfrentar Magomed Ankalaev, número três da divisão, o atual campeão elogiou o atleta russo, mas sugeriu que ele, primeiramente, enfrente o polonês Jan Blachowicz, segundo colocado da categoria.

PUBLICIDADE:

“Quero vê-los lutar depois (Ankalaev e Blachowicz), porque eu quero ver quem é o melhor. Eu não quero prever (quem vai vencer). Mas se eu tivesse que escolher entre esses caras, eu escolheria Ankalaev, porque ele está em forma, todo mundo está olhando para ele como se ele fosse muito bom. Mas eu vou mostrar para todo mundo que eu sou o melhor. Mas agora está diante de mim o Glover, então eu vou manter a preparação para ele”, finalizou o tcheco.

Glover Teixeira e Jiri Prochazka se enfrentaram pela primeira vez no UFC 275, no último dia 11 de junho. Em um combate que é considerado, até aqui, um dos melhores do ano, o brasileiro fazia uma boa atuação, mas vacilou nos segundos finais e acabou finalizado pelo então desafiante quando faltavam menos de 30 segundos para o soar do gongo.

Podcast #74: O Adeus trágico a Leandro Lo +Derrotas brasileiras no UFC Vegas 59