Joanna se vê como primeira mulher campeã de duas divisões no UFC

Atual dona do cinturão dos palhas, polonesa garante que vai em busca do título de nova categoria feminina

Joanna tem quatro defesas de título no peso palha (Foto: Reprodução/Youtube)

Joanna tem quatro defesas de título no peso palha (Foto: Reprodução/Youtube)

A polonesa Joanna Jedrzejczyk, que enfrenta Jéssica Andrade, neste sábado (12), no UFC 211, tem grandes planos para sua carreira. Além de se manter  como dona do cinturão do peso palha, que ostenta desde 2015, ela diz já estar de olho no título do peso mosca feminino, categoria recém-aberta pelo Ultimate.

Veja Também

Brasileiros são azarões para o UFC 211 (Foto: Reprodução/YoUtube - Montagem: SUPERLUTAS)
Cigano, Jéssica e Demian são azarões nas apostas para o UFC 211
D. Maia (foto) brincou com Woodley,
 possível próximo adversário (Divulgação/ Twitter/UFC)
Vídeo: Demian aposta em estratégia para bater Masvidal
Ponzinibbio (dir) e Nelson (esq) se enfrentam em julho. (Foto: Divulgação/Twitter-UFC)
Ponzinibbio enfrenta Gunnar Nelson na luta principal do UFC Glasgow

A ideia de Joanna, aliás, é repetir o feito do irlandês Conor McGregor, o primeiro a obter o título em duas divisões ao mesmo tempo. A polonesa garante que tem capacidade de ser campeã do peso palha e do peso mosca simultaneamente.

“Estou muito feliz por o UFC decidir abrir a divisão peso-mosca feminino. Eu já previa isso há um ano. Há um ano eu disse que gostaria de me tornar campeã do UFC em duas divisões diferentes, então estou feliz. Costumava lutar no peso-mosca quando competia no muay thai e no boxe e, antes de me tornar campeã do UFC, as minhas primeiras lutas de MMA foram nesse peso. Definitivamente é um desafio novo e um novo objetivo. Talvez no próximo ano eu me torne a primeira campeã feminina do UFC a vencer cinturões em duas divisões diferentes de peso”, comentou Jedrzejczyk, em entrevista ao site do canal Combate.

A polonesa se disse animada com a nova categoria, cujo limite de peso (57 kg.) fica entre o peso galo (61 kg.) e o palha (52 kg.). Segundo ela, isso permite que outras atletas não se sacrifiquem no corte de peso ou lutem acima de sua categoria natural.

“Precisamos muito dessa categoria, porque muitas lutadoras precisam perder ou ganhar muito peso para lutar. Precisamos estar saudáveis, não podemos aceitar esse risco. Estou muito feliz por sermos cada vez mais profissionais. Eu não sei, sou muito pequena para ser a causa disso, mas estou muito feliz pelo UFC ter tomado essa decisão, estou muito animada por mim e por outras lutadoras”, encerrou.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário