Covington reclama de torcida local e dispara: ‘Odeio o Brasil’

Norte-americano reclamou da postura dos torcedores brasileiros e revelou que tem odiado sua estadia em São Paulo

C. Covington fala com a imprensa em São Paulo (Foto: Reprodução Instagram Colbycovmma)

C. Covington fala com a imprensa em São Paulo (Foto: Reprodução Instagram Colbycovmma)

O norte-americano Colby Covington, ao contrário da maioria de atletas estrangeiros que vêm lutar no Brasil, não faz nenhuma questão de parecer simpático aos fãs locais. Aliás, o meio-médio, que enfrenta Demian Maia no UFC São Paulo deste sábado (28), fez duras críticas ao torcedor brasileiro, principalmente com a já tradicional música “Uh, vai morrer”.

Veja Também

D. Maia (foto) luta em São Paulo (Foto: Reprodução Facebook UFC)
Demian comemora luta em casa e garante ter tirado lições de derrota
Duelo lidera o card do UFC SP (Foto: Reprodução/UFC)
Palpites: UFC São Paulo – Lyoto Machida x Derek Brunson
Lyoto e Demian são azarões no UFC SP (Foto:Reprodução/Facebook/Montagem: SL)
Lyoto Machida e Demian Maia são azarões nas apostas para o UFC SP

Segundo Covington, a canção mostra a postura da torcida e do povo brasileiro de forma errada e fez com que ele tivesse uma imagem negativa do país. E parece que a opinião do norte-americano não mudou desde que ele chegou a São Paulo para a reta final da preparação para o duelo com Demian.

“Esse lugar é um buraco. Odeio o Brasil, odeio São Paulo. Quero que chegue logo a noite da luta, para conseguir minha vitória, pegar meu cheque e voltar para os Estados Unidos. Aqui os fãs querem te matar, ficam gritando “Uh, vai morrer”. Que p… é essa? Não saio do hotel porque as pessoas são malucas. Da outra vez que vim aqui, acabaram com o ar condicionado do meu quarto de hotel e da arena. Minha sorte é que estava preparado para lutar nessas condições. Você tem que vir aqui para lutar mesmo”, disparou Covington, que garantiu só ter aceitado essa luta no Brasil, pois é uma luta importante, que pode levá-lo a buscar o cinturão.

“Ninguém queria enfrentar Demian Maia. Ele é a luta mais difícil da divisão. Vou chegar aqui, acabar com ele, mandar todos calarem a boca e ir embora em busca do meu cinturão. Enquanto Tyron Woodley está de férias, estou aqui acabando com toda a divisão. No sábado, anuncio minha chegada ao topo e vou ser campeão dessa categoria. Depois que eu limpá-la, irei buscar títulos no peso médio e até nos leves”, garantiu, sem falsa modéstia.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário