WWE e a Arábia Saudita: uma relação controversa que poderá não sobreviver à pandemia

País Árabe, famoso por restringir direitos humanos, tem um acordo de longo prazo com a WWE para realização de eventos

WWE e o retorno a Arabia Saudita. Foto: Divulgação

A WWE é uma marca global com fãs em todo o mundo. Nos últimos anos, o Oriente Médio se estabeleceu como um destino popular para esportes e entretenimento internacionais de primeira classe. Portanto, era inevitável que a WWE não se ramificasse na região, levando seus shows e estrelas para uma parte do mundo com muitos fãs e muito mais dinheiro.

A primeira exibição no mercado do Oriente Médio ocorreu em 2012, quando o Raw World Tour parou na capital dos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi. Desde então, mais três shows foram realizados em Abu Dhabi e um no vizinho Dubai, em 2016.

No entanto, a presença da WWE na região foi mais forte na Arábia Saudita, com um total de oito shows até agora no país. Depois de três shows no programa Smackdown, a WWE e a Arábia Saudita assinaram uma parceria de 10 anos em março de 2018, comprometendo a empresa a longo prazo com a nação mais populosa e mais rica do mundo árabe. O contrato descreve que serão realizados dois shows por ano na Arábia Saudita.

Embora os Emirados Árabes Unidos possuam um histórico questionável em relação aos direitos humanos e recebam uma boa quantidade de críticas, ainda assim é um país moderno e progressivo, com uma considerável comunidade de expatriados e uma longa história em sediar eventos globais. Portanto, levar a WWE para os Emirados nunca foi considerado uma jogada controversa.

A censura estrita da Arábia Saudita

A Arábia Saudita, no entanto, tem muitas polêmicas. O país possui algumas das leis de censura e estilo de vida mais estritas do mundo. Mídia, notícias e entretenimento são estritamente censurados para aderir às regulamentações do governo islâmico, além disso, as pesquisas na Internet são bloqueadas ao tentar visitar sites que o governo considera “imorais”.

Para certos conteúdos nos sites, como entretenimento adulto, isso não é uma surpresa, entretanto, também existem bloqueios nos serviços de notícias de certos países que são vistos como inimigos pela Arábia Saudita, como Israel, Irã e Catar. Quanto a jogar em cassinos online ou assistir emissoras estrangeiras, esqueça: as redes privadas virtuais são ilegais e não conseguem se conectar. A Arábia Saudita censurou até mesmo a Netflix.

Não é de se surpreender, portanto, que qualquer evento internacional que decida ir ao país seja acusado de pegar dinheiro e ajudar o Estado a utilizar o esporte para limpar a sua imagem, usando, assim, programas de esportes e entretenimento para fornecer uma fachada de modernidade, quando na realidade, muitas leis e modos de vida sauditas permanecem extremamente opressivos.

Assim, provou para a WWE, que se viu exposto e envolvido em muitos dos problemas pelos quais a Arábia Saudita ganhou seu status de um dos piores países do mundo em direitos humanos.

Os direitos das mulheres na Arábia Saudita – ou melhor, a falta de direitos – receberam críticas em todo o mundo, com uma série de leis bárbaras destinadas a reprimir as mulheres do país. Pra você ter uma ideia, somente em junho de 2018, as mulheres tiveram permissão legal para dirigir.

O caso Khashoggi

A WWE logo se viu no centro de uma tempestade quando a Arábia Saudita proibiu lutadoras de participar de seus shows. Embora isso tenha sido muito ruim, quando Triple H, vice-presidente executivo da WWE, se posicionou para defender a Arábia Saudita, causou insatisfação e apenas aumentou as acusações de que a WWE estava priorizando dinheiro em detrimento da moral.

Depois de tentar adicionar uma partida feminina – Alexa Bliss x Natalya – ao cartão Super ShowDown em junho de 2019, que foi rejeitado pelo governo saudita, a WWE finalmente conseguiu a aprovação quatro meses depois no Crown Jewel, onde Natalya enfrentou Lacey Evans. Mas, mesmo assim, condições precisaram ser seguidas, pois as duas lutadoras usavam bodies e camisetas em vez de seus trajes típicos.

Embora tenha havido alguns feedbacks negativos sobre a natureza da primeira partida feminina na Arábia Saudita, mesmo assim foi amplamente elogiada como um momento de grande avanço para a WWE e o próprio país.

No entanto, nenhuma publicidade positiva gerada pela partida poderia compensar a expectativa da Crown Jewel, com a Arábia Saudita no meio de uma crise diplomática após o assassinato do cidadão saudita e importante jornalista Jamal Khashoggi na embaixada saudita em Istambul, apenas um mês antes do show.

Políticos dos EUA pediram à WWE que cancelasse o evento e vários lutadores de alto nível, incluindo Daniel Bryan e John Cena se retiraram em protesto. Mas, em outro movimento que não deu certo, Stephanie McMahon insistiu que o show iria adiante como uma “decisão de negócios”. Outro momento moral sobre a WWE.

Hora de encerrar?

A controvérsia em torno do evento Crown Jewel continuou após o show, quando um avião fretado, composto por lutadores e funcionários da WWE, teve a decolagem negada e ficou parado na pista por seis horas. Embora a linha oficial das autoridades sauditas tenha explicado que foi devido a questões mecânicas do avião, isso foi facilmente refutado. Em vez disso, foi relatado que o príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman ordenou a parada do avião em resposta a Vince McMahon, exigindo que o feed ao vivo do pay-per-view fosse cortado pela incapacidade da Arábia Saudita de pagar suas taxas.

O evento mais recente da WWE na Arábia Saudita, o Super ShowDown de fevereiro, ocorreu sem nenhuma das controvérsias e escândalos anteriores, mas o programa em si foi universalmente criticado por estar abaixo da média.

Então, apenas duas semanas depois, a WWE e a Arábia Saudita se viram no meio de ações judiciais pelo fracasso em divulgar pagamentos referentes a milhões de dólares.

Então, o que espera a WWE na Arábia Saudita? Com a pandemia de coronavírus paralisando os eventos internacionais, é improvável que a empresa retorne ao país para seu segundo show em 2020.

No entanto, com a tensão aumentando entre as autoridades sauditas, um número crescente de lutadores se afastando e controvérsias a cada momento, uma pausa prolongada antes de decidir o futuro relacionamento da WWE com o país pode ser bem-vinda.

A parceria com a Arábia Saudita foi, sem dúvida, um sucesso financeiro para a empresa. Mas a que preço?

 

 

Marcadores: WWE

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments