Parceiro de Anderson que simulou Brunson crava: ‘Spider vai nocautear’

Vinícius Thunder, lutador do Brave, falou com o SUPER LUTAS sobre preparação do ex-campeão para o UFC 208

Thunder (dir) posa com A. Silva (esq) FOTO: Arquivo Pessoal

Thunder (dir) posa com A. Silva (esq) FOTO: Arquivo Pessoal

O ex-campeão Anderson Silva retorna ao octógono no UFC 208 deste sábado (11) em busca de redenção, após duas derrotas seguidas. E poucas pessoas podem falar melhor sobre o estado de espírito do brasileiro que Vinícius “Thunder” Cruz, lutador do Brave e responsável por simular o estilo de luta do adversário do Spider, Derek Brunson. Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, o meio-médio da X-Gym garantiu que o companheiro de equipe readquiriu a confiança perdida após a lesão na revanche contra Chris Weidman e está pronto para chocar o mundo com um nocaute histórico.

“Eu estive com o Anderson na preparação da luta para o Nick Diaz e o sentia meio receoso por conta da lesão. Acho que ele ficou um pouco assim ainda contra o Bisping, mas agora eu acho que o Anderson Silva está de volta. Confiante e pronto para dar show”, sentenciou Thunder, que fará sua estreia no Brave no fim de março em evento que será disputado nos Emirados Árabes.

Veja Também

Anderson defende sindicato de lutadores: ‘Evolução do esporte’
Na primeira encarada, Anderson posa abraçado com rival Derek Brunson
Adversário de Jacaré, Boetsch elogia o brasileiro: “É o melhor lutador da divisão”

Canhoto como Brunson e com faixa marrom de jiu-jitsu, Vinícius fez várias sessões de sparring com Anderson, sempre procurando emular o norte-americano, que vem de derrota para Robert Whittaker. Na análise do companheiro de Spider, o estilo de Brunson é bom para o ex-campeão.

“A gente sabe como o Brunson luta. Tem boa trocação, mas o forte dele são as quedas. Mas é paradão. Qualquer ser humano que ficar parado na frente do Anderson Silva corre o risco de levar um golpe do nada, de ser nocauteado. Esse é o Anderson”, confidenciou Vinícius, que enfrenta o libanês Mohammad Fakhreddine em Abu Dhabi, na sua estreia no Brave.

Leia a entrevista com Vinícius Thunder:

SUPER LUTAS: Como você está sentindo o estado de espírito do Anderson para a luta com o Brunson?
Vinícius Thunder: Eu estive com o Anderson na preparação da luta para o Nick Diaz e o sentia meio receoso por conta da lesão. Acho que ele ficou um pouco assim ainda contra o Bisping, mas agora eu acho que o Anderson Silva está de volta. Confiante e pronto para dar show. Participei também da preparação dele para o Uriah Hall e posso dizer que agora ele está muito mais motivado, focado e querendo vencer mesmo. Ele está de volta.

SL: Como você contribuiu para a preparação do Anderson?
VT: Como eu sou canhoto e estou com o peso parecido com o dele agora, eu simulei o estilo do Brunson. Na parte em pé, principalmente. Mas sou faixa marrom de jiu-jitsu, então também dei uma força no treino de defesa de quedas e de chão. Mas trabalhamos mais na luta em pé.

SL: O que você pode dizer do Derek Brunson? Qual sua análise?
VT: A gente sabe como o Brunson luta. Tem boa trocação, mas o forte dele são as quedas. Mas é paradão. Qualquer ser humano que ficar parado na frente do Anderson Silva corre o risco de levar um golpe do nada, de ser nocauteado. Esse é o Anderson.

SL: No tempo que você treinou com o Anderson Silva, há algo de diferente que você notou nele em relação aos treinos?
VT: Ele está muito mais rápido, mais contundente. Batendo doído mesmo (risos). Eu sou meio-médio, mas agora estou com 92 kg. e ele chegou com 91 kg. então os treinos foram ótimos, mas ele está muito mais contundente.

SL: Você falou que o Anderson está mais confiante. Qual a diferença para as últimas lutas dele?
VT: É aquilo que eu falei. Você sentia o Anderson com um pouco de receio nos treinos, o pé atrás mesmo. Uma coisa natural de quem passou por uma lesão grave como a dele. Poucas vezes eu vi o Anderson tão bem nos treinos, confiante e feliz. Vem vitória por aí.

SL: E você faz sua estreia internacional em março. Qual a expectativa?
VT: Eu tenho uma boa carreira no circuito nacional e agora estou dando meus primeiros passos lá fora. O Brave é um evento importante no Oriente Médio e eu quero dar show. Vou pegar um cara duro que é o Mohammad Fakhreddine, mas quero vencer e chamar a atenção.

 

 

 

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário