Psiquiatra de Ryan Gracie será indiciado por homicídio culposo, diz delegado

O médico Laércio de Oliveira César, responsável pelo laudo da Polícia Civil que atestou a causa da morte do lutador Ryan Gracie, afirmou na tarde desta quinta-feira (21) que ele morreu por causa da interação entre os medicamentos, alguns deles ministrados pelo psiquiatra Sabino de Farias Neto. Segundo o delegado Roberto Calaça Vieira, responsável pelo inquérito, o médico deve ser indiciado por homicídio culposo

Entretanto, o médico evitou afirmar que houve excesso na dose de remédios: “houve uma interação medicamentosa, o que pode ocorrer mesmo quando as doses não sendo altas. Uma droga interagiu com outras e houve a depressão do sistema nervoso central”, disse.

O laudo conclui que o lutador morreu de hipoxemia, que é a diminuição aguda de oxigênio nos glóbulos vermelhos, causada por um edema agudo de pulmão. Isso foi causado pelo colapso do aparelho respiratório e cardíaco, de acordo o laudo. O coração deixou de funcionar e pulmão também em decorrência da depressão do sistema nervoso central, que controla esses órgãos.

PUBLICIDADE:

De acordo com o médico do Instituto Médico Legal (IML), o lutador tinha sido medicado porque apresentava problema psiquiátrico. O psiquiatra do lutador administrou medicamentos com finalidade de sedar o paciente e eliminar um quadro paranóico. “Se ele só tivesse tomado as drogas [cocaína, maconha] acredito que não teria morrido”, disse.

Influência da cocaína
Mas, segundo o médico, a cocaína também influenciou na interação medicamentosa, que contribuiu para a depressão do sistema nervoso central. Ele diz que a droga inicialmente excita sistema nervoso, mas depois é potencialmente depressora. Ela explica que a cocaína produz alterações extramamente graves no coração. Segundo ele, o coração do lutador apresentava alterações cardíacas compatíveis com uso prolongado de cocaína.

PUBLICIDADE:

O médico diz que existem medicamentos que podem causar depressão no sistema nervoso central, como ansiolíticos – calmantes – que atuam no cérebro. Mesmo sendo dadas em doses terapêuticas.

No caso de Ryan Gracie, explica o médico, “essas drogas tiveram um efeito chamado de ‘aditivo’. O efeito de uma somou-se com efeito depressor da outra, eram seis medicamentos potencialmente depressores do sistema nervoso central”, disse.

PUBLICIDADE:

Indiciamento
Segundo o delegado Roberto Calaça Vieira, responsável pelo inquérito, o médico deve ser indiciado no artigo 121, que classifica o ocorrido como homicídio culposo. “Se ele não tivesse ingerido todas essas drogas lícitas ele não teria morrido. [Sabino] vai responder em liberdade porque a pena é de detenção de 1 a 3 anos”, disse. Ele afirmou que o médico não pediu que o lutador fosse transferido para hospital. “Se tivesse pedido, nós o levaríamos para um pronto-socorro”, disse, citando a lei de execuções penais.

Defesa
Após a divulgação do laudo, o advogado do médico, Pedro Lazarini Neto, voltou a negar a culpa de seu cliente e afirmou que ainda não conhece o teor do laudo. “Não fomos comunicados ainda. Quanto ao indiciamento [por homicídio culposo], doutor Sabino atendeu Ryan para salvar uma vida e não para tirar”, disse.

Nesta quinta-feira, o G1 tentou contato por telefone com o psiquitra. Uma pessoa que atendeu seu celular e se identificou como filho de Sabino disse que ele estava incomunicável. Em entrevista ao Fantástico, exibida no domingo, o psiquiatra se defendeu da divulgação de dados preliminares do laudo. “Há 31 anos eu atendo pacientes que usam maconha, cocaína, bebida. E uso medicações exatamente nesse nível”, afirmou o médico de Ryan.

PUBLICIDADE:

Rivalidade à vista? McGregor provoca ex-campeão e leva resposta pesada



Comentários

Deixe um comentário

Confira todos os resultados do UFC Las Vegas 92 Resultados do UFC St. Louis Resultados do UFC 301 Resultados do UFC Las Vegas 91 Resultados do UFC 300