Amanda Nunes volta atrás e descarta superluta contra Cris Cyborg

Campeã da divisão de galos, Amanda desiste de subir a categoria de penas e mira em defesas de cinturão contra Raquel Pennington e Ketlen Vieira

A. Nunes desiste de superluta contra Cyborg (Foto: Reprodução Facebook UFC)

Amanda Nunes desafiou a compatriota Cris Cyborg para a superluta de campeãs do UFC. A baiana, dona do cinturão peso galo (até 61,2 kg.) foi até as redes sociais para pedir o duelo pelo título dos penas (até 65,8 kg.), em posse de Cris. Ela chegou a afirmar que ‘seria a luta que o povo quer ver’. Porém, a ‘Leoa’ parece ter mudado de ideia.

Veja Também

Werdum revela que TUF e revanche com Miocic estavam ‘engatilhados’
UFC Fight Night Londres: Saiba como faturar durante a espera pela luta de Fabrício Werdum
Mackenzie Dern tem pedido atendido e encara Amanda Cooper no UFC 224, no Rio

Apesar do Ultimate ter tentado agendar o combate entre Cyborg x Amanda para o UFC 224, dia 12 de maio, no Rio de Janeiro, a paranaense pediu para voltar a competir apenas em julho. Com isso, o show convocou Raquel Pennington para desafiar Nunes na capital fluminense. Agora, com sua terceira defesa de título agendada, Amanda pensa em continuar no peso galo e descarta subir de categoria imediatamente.

“Quando enviei uma mensagem para Dana White dizendo que eu queria a luta (contra Cyborg), não tinha ninguém na minha divisão. Eu nem sabia se iria lutar em breve. Eu estava preocupada de ter de esperar anos, porque eu já estive nessa posição antes, esperando muito tempo por uma luta. Eu não quero passar por isso de novo”, afirmou Amanda ao podcast ‘UFC Unfiltered’.

“Mas agora nós temos Rocky (Pennington), a brasileira Ketlen (Vieira) e eu sinto que a minha divisão está começando a crescer. Se você prestar atenção, a divisão vai ficar fantástica e agora tenho duas desafiantes. Eu tenho Rocky e Ketlen”, completou.

Com duas futuras desafiantes em mente, Amanda Nunes descarta a superluta contra Cris Cyborg em um futuro próximo. Por outro lado, ela deixa em aberto a possibilidade do combate em outro momento.

“Existem muitos fatores envolvidos nisso. O meu contrato e o dela, eles precisam fazer sentido para nós duas para que possamos fazer isso. Não é nada pessoal contra a Cyborg. Quando você se torna uma lutadora profissional, você quer ser a melhor e vencer as melhores”, encerrou.

Notícias relacionadas