Marlon Moraes lamenta doping de Dillashaw: ‘Queria vencê-lo’

Apesar de ser o maior beneficiado com o doping do rival, Marlon lamentou o problema vivido por TJ e projetou os possíveis adversários na luta pelo título vago

M. Moraes lamenta situação de Dillashaw. Foto: Reprodução/Facebook ufcbrasil

Marlon Moraes seria, teoricamente, o maior beneficiado com doping de TJ Dillashaw. O brasileiro, número um no ranking dos galos, seria a escolha natural para disputar o título vago da divisão. Porém, esse não era o desejo do lutador de Nova Friburgo.

Veja Também

Marlon e Cejudo trocam farpas no Twitter e esquentam rivalidade para possível luta pelo cinturão
McGregor sobre doping de Dillashaw: ‘Eu o chamei de cobra muito antes’

Em entrevista ao site do canal Combate, Marlon lamentou a situação vivida por TJ e revelou que seu objetivo era tomar o cinturão do norte-americano. Entretanto, apesar do doping de Dillashaw, ele não descarta uma luta com o rival no futuro.

“Infelizmente aconteceu isso aí com Dillashaw. Particularmente, queria lutar com ele, queria vencê-lo. Foi o cara que chegou ali e dominou a categoria. Mas vou lutar com ele um dia, e vou vencê-lo. Não esperava e aconteceu isso, surpreendeu a todos”, disse.

Moraes também fez uma analise do cenário da divisão e projetou quem seriam os possíveis adversários na luta pelo título vago dos pesos galos.

“Eu, como número um (do ranking), estou praticamente garantido nessa luta de disputa de cinturão, não tem como ser outros dois. Tem que ser alguém contra mim. E vejo o (Aljamain) Sterling, que é o americano, o Pedro Munhoz (brasileiro) e o (Henry) Cejudo, que não é um cara da categoria mas a gente nunca sabe o que pode acontecer”, completou.

O doping de TJ Dillashaw

O norte-americano TJ Dillashaw foi pego em uma potencial violação da política antidoping do Ultimate em sua última luta, no UFC Brooklyn, em janeiro. O anúncio do doping foi feito pelo próprio lutador através de uma postagem no Instagram.

A Agência Antidoping dos EUA (USADA, sigla em inglês) e a Comissão Atlética do Estado de Nova York (NYSAC) suspenderam o lutador preventivamente por 12 meses e, por este motivo, TJ abriu mão do cinturão dos galos.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário