Treinador com tatuagem nazista causa polêmica ao aparecer em transmissão do UFC

Aleksey Kiser, técnico de Roman Bogatov, exibiu desenho durante a realização do UFC 251

A. Kiser exibe tatuagem durante UFC 251. Foto: Reprodução

Uma imagem tem causado polêmica no mundo do MMA. Durante a realização do UFC 251, ocorrido em 11 de julho, técnico de Roman Bogatov, que perdeu para o brasileiro Léo Santos, exibiu na transmissão uma tatuagem com suposto teor neonazista. O caso gerou revolta após ser divulgado pelo ‘BloodyElbow’.

Veja Também

IMAGEM FORTE: Vitor Belfort exibe corte profundo sofrido antes de luta contra Bisping, em 2013
Próximo do fim do contrato com o UFC, Werdum descarta renovação: ‘Não tem possibilidade’
Khabib quebra silêncio e se manifesta publicamente após morte do pai: ‘Amigo, irmão e técnico’

De acordo com a publicação, o desenho no cotovelo de Kiser faz referência ao ‘Sol Negro’, um símbolo utilizado por grupos de extrema direita. O desenho foi criado pelo alemão Heinrich Himmler, um dos líderes do Partido Nazi e antigo comandante do exército de Adolf Hitler.

Ao tomar conhecimento da polêmica envolvendo seu nome, Aleksey tentou se defender e negou qualquer relação com o nazismo. Em entrevista ao mesmo ‘BloodyElbow’, o técnico justificou o fato afirmando que a representação da tatuagem é uma questão subjetiva.

“Para você, ela tem um significado. Para mim, como eslavo, outro. Nem uma única pessoa de cor foi prejudicada por mim. Não tenho nada a ver com isso. Vocês exageraram e procuraram um grão de discórdia onde não há nada”, afirmou Kiser.

Além de treinador, Aleksey também é profissional de MMA. Com 28 anos, o russo soma 14 lutas, com 10 vitórias e quatro derrotas em seu cartel.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments