Júnior Cigano analisa duelo contra Rozenstruik e traça planos para voltar a disputar o cinturão dos pesados

Ex-campeão do UFC fala sobre confronto contra surinamês na luta co-principal do card da próxima semana e fala sobre expectativa para uma nova disputa de título

Ex-campeão dos pesados (até 120,2kg.) do Ultimate, Júnior Cigano está perto de seu próximo compromisso pela organização. Atual número cinco do ranking da categoria, o brasileiro tem confronto marcado contra Jarizinho Rozenstruik para o UFC 252, que acontece no próximo dia 15, em Las Vegas (EUA). Em entrevista exclusiva ao canal no YouTube do SUPER LUTAS, o catarinense analisou o confronto, fez um balanço da carreira e falou sobre seu retrospecto recente no octógono e o sonho de voltar a conquistar o cinturão.

Veja Também

Mike Perry se desculpa por agressão em restaurante: ‘Quero ser um exemplo’
Renan Barão assina com Taura MMA e estreia em evento no fim do ano
Edmen Shahbazyan se manifesta após primeira derrota na carreira: ‘Faz parte do jogo’

Considerado um dos grandes nomes da história do MMA brasileiro, Cigano terá pela frente um adversário menos experiente, mas que tem mostrado grande perigo para seus rivais. Contra Jairzinho, Júnior deverá mostrar que está de volta à melhor forma para voltar a ter o braço erguido ao fim do duelo.

Análise do adversário

Para os fãs das artes marciais mistas, o confronto entre o brasileiro e Rozenstruik desenha um embate clássico e empolgante para os admiradores do esporte. Trata-se de dois nomes que preferem a luta em pé e, desta forma, Cigano afirma que a disputa tem tudo para agitar os ânimos dos espectadores.

“Ele é um cara com bastante poder de nocaute. Perdeu a primeira agora (UFC 249), mas é um cara muito duro, do kickboxing. Já fez muitas lutas, tem uma experiência boa. A gente está esperando uma luta muito dura, como as pessoas gostam de ver. Dois pesos pesados, da trocação, então, tem tudo para ser uma luta bastante empolgante. Óbvio que pode rolar o chão, acho que é o ponto fraco dele. Não é minha preferência, mas a gente tem que estar pronto e eu estou”, afirmou o brasileiro.

Previsão do resultado

Como o confronto irá promover o encontro entre dois especialistas na luta em pé, o pensamento de Júnior sobre como vislumbra o fim do duelo não poderia ser diferente. O atleta analisou as possibilidades e sugeriu um final ideal para o embate contra o surinamês.

“Eu acho que a melhor sensação que eu já tive nas minhas lutas é quando eu consigo conectar um bom golpe e eu vejo o cara caindo na sua frente. A sensação é incrível então, esse é meu objetivo: botar a mão no Jairzinho e ver ele caindo na minha frente”, explicou.

Caminho para o cinturão

Campeão da categoria entre 2011 e 2012, o sonho do cinturão segue firme no pensamento do brasileiro. Mesmo sem cravar uma data, Júnior especula quanto precisa fazer para receber a chance de atuar pelo título do Ultimate pela quarta vez na carreira.

“É um pouco difícil de prever, mas acredito que o Jairzinho mais uma ou duas (lutas), provavelmente eu estou lá. Hoje eu sou o quinto (no ranking) e o Jairzinho é o sexto. Não é essa coisa de ranking. É o que vende. Se as pessoas quiserem ver, vão fazer acontecer. (…) Acredito que não vai demorar”, disse o catarinense.

Derrotas recentes

Embora ainda seja considerado um dos principais nomes da divisão liderada por Stipe Miocic, Cigano não vive o melhor momento na sua carreira. O atleta vem de dois reveses consecutivos – algo inédito em sua trajetória no MMA até então -, mas o brasileiro consegue enxergar pontos positivos e não deixar que a situação o abale.

“Acho que a experiência te ajuda muito, mas também te coloca em uma situação de você querer testar formas diferentes de agir ou até de se sentir para uma luta. Então, esses testes, muitas vezes não dando muito certo. No geral, acaba sendo positivo, porque o meu objetivo é continuar aqui, sendo quem eu sou, buscando melhorar sempre. No início da minha carreira, eu não pensava muito. Só saía soltando os braços… funcionava de uma maneira legal. Faltou um pouco da agressividade nas minhas últimas lutas. A experiência tem que chegar para acrescentar, você usar suas armas de uma forma melhor. Controlar melhor seu jogo em geral. É um aprendizado constante”, encerrou.

No próximo dia 15, Júnior, de 36 anos, atingirá a marca de 29 apresentações desde sua estreia no MMA profissional. Com 21 vitórias na carreira, o combatente soma 15 por nocaute.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments