Grandes audiências e quantias monetárias movimentadas explicam presença das lutas no mundo do entretenimento | SUPER LUTAS

Grandes audiências e quantias monetárias movimentadas explicam presença das lutas no mundo do entretenimento

A evolução da luta e as quantias milionárias que agitam o UFC e as superlutas de boxe

Em meio às dificuldades da vida nos tempos antigos, havia ainda espaço e tempo para a prática de atividades que ajudavam a arejar a mente dos desafios do dia a dia. Uma delas envolvia esportes, como as lutas entre atletas de diferentes localidades por medalhas e troféus, gerando modalidades como a luta greco-romana, que inspirou o “Wrestling” – desenvolvido posteriormente na Europa e no resto do mundo.

Esportes continuam a ser parte importante da rotina das pessoas, seja como uma atividade diária e profissional ou como entretenimento, e isso obviamente inclui as lutas em si. Nas Olimpíadas, a supramencionada luta greco-romana e as lutas marciais de origem asiática, como karatê, judô e taekwondo, dividem espaço com o boxe e a esgrima, unindo nações inteiras na torcida pelos atletas que representam seus países de origem ou de escolha.

Fora do evento que ocorre a cada quatro anos, as lutas ganham os holofotes e as atenções do público através de competições de grande porte. O UFC, em que o MMA é praticado, é onde está concentrada a maior audiência, muito graças à sua regularidade e aos atletas que disputam lutas no octógono. Entretanto, é o boxe a modalidade que ainda mais atrai audiências e quantias monetárias em suas premiações, o que serve de atração até para estrelas do UFC, como Conor McGregor.

Fonte: Pixabay

Papel das lutas na indústria do entretenimento tem se expandido

Ainda que as lutas não sejam uma unanimidade entre o público, é difícil negar que elas têm se tornado parte cada vez mais integral do mundo do entretenimento em si. As audiências de eventos como a luta entre Conor McGregor e Floyd Mayweather, que teve mais de 50 milhões de espectadores e 410 milhões de dólares distribuídos entre os lutadores graças aos tíquetes vendidos e pacotes pay-per-view comprados mundo afora, explicam em grande parte o porquê desse desenvolvimento.

O sucesso dos eventos traz a galope a tentativa de levar a mídia para outros meios, muitas vezes com um sucesso relevante. Entre filmes de grande sucesso de bilheteria e crítica estão os estrelados pelos astros Bruce Lee e Jackie Chan. Exemplos de produções do tipo são Operação Dragão, de Lee, que conseguiu atingir 350 milhões de dólares em bilheteria contra um orçamento de 850 mil, e a série Police Story, dirigida e produzida por Chan, que arrecadou mais de 250 milhões em suas edições.

Fonte: Pixabay

Essas adaptações chegaram também ao mundo dos jogos por meio de plataformas de cassino online. Portais como o Fortunabet incluem em seu catálogo jogos como Bangkok Fighter – inspirado no famigerado muay thai praticado na Tailândia – e Street Fighter II, cuja origem é o videogame de mesmo nome. Os jogos mostram não só a capacidade e o talento que o universo dos cassinos tem em criar adaptações fidedignas em relação ao gênero no qual procuram se inspirar, mas também o peso que as lutas marciais em si têm no mundo midiático e no âmbito do entretenimento.

Para além da atenção que as lutas geram e das consequentes quantias que são arrecadadas por sua prática e pelas adaptações midiáticas nelas inspiradas, existem mais causas para o sucesso de tais modalidades nesses meios. Um deles é fato de essas lutas instigarem em nós um sentimento de pertencimento e admiração semelhante ao que fazem os times de futebol, de vôlei e de outras modalidades esportivas.

Durante os tempos em que Mike Tyson dominava os ringues de boxe, era normal o atleta reunir grande quantidade de fãs e de detratores que ansiavam pela sua derrota. Ambas as correntes são atraídas não só para Tyson, mas para o resto do esporte em si, motivando assim o investimento de tempo e de outros recursos no boxe em âmbitos que vão muito além das lutas realizadas no MGM Grand Las Vegas.

Daí que às vezes, sem que ao menos notemos, estamos tão envolvidos com a luta e os atletas que a praticam quanto ficamos com relação aos nossos times de futebol preferidos. Assim vão nascendo as legiões de fãs leais a Tyson e outros atletas que foram praticamente imbatíveis durante seus respectivos auges, dominando os ringues e a atenção durante esse processo e colaborando com uma expansão ainda maior do mundo das lutas para além do ramo dos esportes.

Podcast SUPER LUTAS: Qual o futuro de McGregor após o UFC 264?

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments