Boxeador perde a chance de lutar por título mundial ao recusar se vacinar contra a Covid-19

Bryant Jennings enfrentaria Oscar Rivas pelo título inaugural da divisão bridgerweight do Conselho Mundial de Boxe

B. Jennings vai deixar de lutar por título mundial da WBC por não querer se vacinar (Foto: Instagram)

Ex-desafiante ao título mundial dos pesos pesados, Bryant Jennings perdeu a oportunidade de se tornar o primeiro campeão mundial da história da divisão bridgerweight do Conselho Mundial de Boxe (WBC) por conta de requerimentos relacionados à vacinação para a Covid-19.

PUBLICIDADE:

Jennings enfrentaria Oscar Rivas pelo título inaugural da divisão bridgerweight do WBC, categoria criada entre o peso cruzador e o peso pesado, com limite em 101,6 kg. A luta seria uma revanche do duelo realizado em 2019, em Nova Iorque, quando Oscar Rivas saiu vitorioso com um nocaute no décimo segundo round e conquistou um cinturão menor dos pesos pesados.

A revanche estava marcada para o dia 22 de outubro, em Quebec, cidade canadense na qual Rivas vive. Desde o início de setembro, no entanto, Quebec possui um passaporte de vacinação que obriga não-residentes que queiram participar de eventos na cidade a apresentar um documento oficial com foto e endereço e uma prova oficial de vacinação contra a Covid-19.

PUBLICIDADE:

Empresário de Oscar Rivas, Yvon Michel revelou nesta semana que Bryant Jennings se recusou a tomar a vacina e a cumprir as regras de quarentena do país para pessoas não vacinadas.

Através de sua própria rede social, o lutador atacou os requerimentos exigidos pela cidade e garantiu que não violou o contrato.

PUBLICIDADE:

“Requerimentos antiéticos não são para mim. Eu tomar a vacina nunca esteve nos planos, nem no contrato! O contrato dizia que eu teria que concorcar com os requerimentos de saúde pública de Quebec, mas você não pode criar requerimentos como esse e ainda esperar que isso aconteça”, desabafou Jennings.

PUBLICIDADE:

Bryant Jennings também reclamou das regras de quarentena da cidade, que ele não precisaria cumprir se tivesse tomado a vacina.

“14 dias de quarentena, sem treinador, sem academia, sem corridas, sem a última semana de sparring, sem a luz do sol, comendo o que tiver disponível e não saio da quarentena até o dia 21, que é o dia da pesagem. Como isso pode funcionar com um lutador de classe mundial que lutará 12 rounds?”, questionou o lutador.

Com a saída de Bryant Jennings, Oscar Rivas lutará pelo título inaugural contra outro lutador ranqueado, mas ainda não revelado pela organização.

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?