De olho no top 15, Livinha Souza aposta na inteligência para voltar a vencer: ‘quem dá show é cantor’

Após perder a última luta, brasileira busca a volta por cima contra Randa Markos no UFC Las Vegas 41, neste sábado (23)

L. Souza em apresentação pelo UFC. Foto: Reprodução/Instagram @livinhaufc

Capitaneado pelo duelo entre Paulo Borrachinha e Marvin Vettori, o card do UFC Las Vegas 41 está repleto de representantes brasileiros. A primeira a entrar em ação, logo na segunda luta do evento, é Livinha Souza, que encara Randa Markos pela divisão peso palha (até 52,1 kg).

PUBLICIDADE:

Veja Também

Ex-campeã do Invicta FC, Livinha vem de derrota para a compatriota Amandinha Lemos em sua última aparição, em março deste ano. Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, a “Gangster Brasileira” revelou problemas na preparação para a última luta, mas garantiu que tirou lições da derrota e está melhor preparada para o duelo contra Randa Markos.

“Na verdade, nem considero um revés, porque nem fui para lutar. Fui mais bater meu compromisso com o UFC, não ia deixar eles na mão, dei minha palavra. Tive muitos empecilhos, estava mudando de equipe e fiz apenas três treinos para essa luta. Todo mundo viu no UFC o nível da Amanda, um nível altíssimo. Entrei de canivete para lutar na guerra com ela e levei a pior. O que eu tirei de lição foi me planejar melhor para as próximas lutas e estar em uma equipe de ponta para competir no UFC”, disse a lutadora.

PUBLICIDADE:

Se Livinha vem de duas derrotas nas últimas três lutas, a fase de sua adversária é bem pior. Randa Markos foi derrotada nas últimas quatro vezes que entrou no octógono e não vence desde outubro de 2019. A sequência deixou a iraquiana-canadense com o cartel negativo, com dez vitórias, 11 derrotas e um empate. Para Livinha, no entanto, a má fase da oponente não significa nada quando a porta do octógono se fechar.

“Com certeza não aumenta a pressão. Cada luta é um capítulo. Ela é experiente e espero que venha com o melhor dela. Acho que a fase dela não influi em nada, assim como eu ter perdido a última luta não influi em nada. Outra luta, outra história, outro evento. Creio que vamos fazer uma luta bem parelha, bem acirrada e que vai ser decidida nos detalhes”, analisou Livinha.

PUBLICIDADE:

Para voltar à coluna das vitórias no Ultimate, Livinha aposta em um combate inteligente e estratégico. A ex-campeã do Invicta pretende entrar no octógono e fazer o seu trabalho, deixando os “shows” para os profissionais do ramo artístico. Isso, no entanto, não quer dizer que a brasileira pretenda fazer uma luta burocrática. A aposta de Livinha é em um desfecho no segundo assalto.

PUBLICIDADE:

“Vou lutar com bastante inteligência. Não tenho por que ficar abrindo a luta. Quem dá show é cantor. Quem vai dar show é o Roberto Carlos. A gente entra lá para conseguir a vitória, pegar a bolsa, voltar para casa e pensar na próxima. Creio que vai ser uma luta parelha, mas tenho boas armas para anular o jogo dela e com certeza executar o meu melhor. Acho que termina por nocaute ou finalização no segundo round”, afirmou.

Aos 30 anos, Livinha tem 14 vitórias, sendo oito por finalização, e apenas três derrotas na carreira. Contra Randa Markos, neste sábado, a brasileira entra no octógono do UFC pela sexta vez, mirando um retorno ao top 15 do peso palha.

“Uma vitória me põe na trilha, não vou falar que me põe lá, porque a gente não sabe. Com certeza quero entrar para o bolo e competir com essas meninas que são incríveis, grandes atletas, para me tornar uma das tops da categoria”, finalizou Livinha Souza.

Podcast #41: José Aldo de volta ao topo + Charles do Bronx e Amanda Nunes no UFC 269