Renovado, Junior Cigano fala sobre motivação para luta contra Pulev: ‘vai mostrar quem sou de verdade’

Quase um ano após ser dispensado pelo UFC, o ex-campeão dos pesados se prepara para a estreia no Triad Combat

J. Cigano (foto) foi dispensado pelo UFC em 2021. Foto: Reprodução/Facebook UFC

Após ser dispensado do UFC em 2021, o ex-campeão dos pesados (até 120,2 kg) Junior Cigano se prepara para retornar à ação no Triad Combat, evento que une as regras do MMA às do boxe, onde enfrenta Kubrat Pulev nos primeiros meses de 2022, ainda sem data definida.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Em entrevista ao jornalista Brett Okamoto, da ESPN norte-americana, Junior Cigano falou sobre seu atual momento e a motivação para voltar a lutar.

“Estou treinando de novo. Cara, estou correndo todos os dias. Acordo às 05h30 para treinar boxe. É algo que eu não fazia há muito, muito tempo. Estou fazendo abdominais todos os dias. Estou me sentindo ótimo com o modo que as coisas estão agora, me trouxe de volta aquela energia boa. A felicidade de estar fazendo algo que eu amo fazer. Eu amo lutar, mas não estava mais aproveitando por conta da pressão e das responsabilidades que estavam colocando em mim. É estranho. Agora tenho aquele sorriso no rosto novamente, a felicidade no meu coração de poder seguir em diante”, afirmou o brasileiro.

PUBLICIDADE:

Oponente de Cigano, Kubrat Pulev estreou no Triad Combate no final de 2021, quando nocauteou Frank Mir, outro ex-campeão do Ultimate. A performance do pugilista búlgaro gerou alguma preocupação nos fãs do brasileiro, que não vence uma luta desde março de 2019 e deixou o UFC após quatro derrotas consecutivas por nocaute.

“Sou grato pelos comentários e pela preocupação. Mas dessa vez eu conversei comigo mesmo e com minha família para pensar em tudo e decidir o que fazer. Tenho 37 anos agora e estava pensando em parar. Talvez não seja mais para mim, mas essa não é minha verdade. Minha verdade é que eu amo isso e ainda consigo fazer. Se você for à academia e me ver lutar, cara, estou melhorando. Essa luta agora vai mostrar a todas essas pessoas, todas que me apoiam e as que não, quem eu sou de verdade. Estou me sentindo feliz. Se eu não lutar bem, então vai ser a realidade e vou saber que não consigo mais atuar bem”, finalizou Cigano.

PUBLICIDADE:

Podcast #45: Volkanovksi sem desafiante e brasileiros no 1º UFC do ano