Chandler ‘ignora’ Ferguson e manifesta interesse em encarar Poirier ou McGregor

Depois de trocar provocações com ‘El Cucuy’, norte-americano fala em enfrentar outros nomes em busca de recuperação no UFC

M. Chandler é ex-campeão do Bellator. Foto: Reprodução/Instagram

Após perder duas lutas seguidas, Michael Chandler parece já ter mudado de ideia ao pensar nos nomes ideais para enfrentar em tentativa de retomar o caminho das vitórias nos leves (até 70,3kg.) do UFC. Em quinto no ranking da divisão, o ‘Iron’ ignorou Tony Ferguson e, agora, voltou suas atenções para Dustin Poirier e Conor McGregor em sua próxima apresentação na organização.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“É o que eu sempre quis quando assinei com o UFC. Queria lutar com os melhores caras. Poirier foi um dos que pedimos no início, mas ele recusou na época. Então ele sempre foi um nome na lista. Ele é um cara que eu respeito. Um cara que admiro dentro do esporte do MMA. Um cara contra quem eu adoraria competir (…) e eu acho que uma luta entre Conor e eu seria enorme. Quero grandes momentos. É o que faz a pessoa ter status de lenda para construir a carreira”, afirmou Chandler em entrevista ao ‘MMA Fighting’.

Apesar do ‘coro’ por McGregor, Michael pode ter que adiar o foco, já que o ‘Notório’ ainda se recupera de lesão na perna esquerda, em fratura sofrida justamente contra Poirier. O irlandês também tem sido cogitado em uma luta pelo título contra Charles do Bronx. Já o ‘Diamante’, que vem de derrota pela disputa de título dos leves (até 70,3kg.) admitiu que negocia um duelo contra Nate Diaz para o primeiro semestre de 2022.

PUBLICIDADE:

Contratado pelo Ultimate para movimentar a divisão dos leves, Chandler, hoje, ocupa a quinta colocação na categoria liderada por Do Bronx. Pela empresa, o norte-americano soma três embates, tendo vencido apenas em sua estreia, quando atropelou Dan Hooker. Ele chegou a trocar provocações com Tony Ferguson e também há a possibilidade de um duelo entre os dois atletas acontecer.

Podcast #45: Volkanovksi sem desafiante e brasileiros no 1º UFC do ano