De violência doméstica a assalto a banco: veja os maiores crimes já cometidos no MMA

Lutadores e até árbitros já cometeram diversos crimes, mas também foram vítimas e usaram suas habilidades atléticas para evitar o pior

Caso de Christy Mack (esq.) e War Machine (dir.) chamou a atenção da opinião pública. Foto: Reprodução/Facebook

Caso de Christy Mack (esq.) e War Machine (dir.) chamou a atenção da opinião pública. Foto: Reprodução/Facebook

É sempre chocante e quase sempre tais fatos tomam conta do noticiário, mas personalidades públicas volta e meia se envolvem em escândalos e cometem crimes, sejam elas do ramo das artes, política ou mídia. Este grupo conta também com um grande número de estrelas dos esportes, com ocorrências marcantes tanto no Brasil quanto no restante do planeta envolvendo atletas das mais diversas modalidades. O MMA também não está imune e conta com casos envolvendo alguns grandes nomes do esporte e outros que, mesmo que envolvam lutadores menos expressivos, chamam a atenção por sua brutalidade.

Foi o caso do ex-peso meio-médio do UFC e do Bellator War Machine. Desde a última semana, o norte-americano está foragido após invadir a casa de sua ex-namorada, a famosa atriz pornô Christy Mack, e agredi-la juntamente com um amigo que se encontrava no local. O caso teve grande repercussão na imprensa, seja ela especializada ou não, e as impactantes imagens de Christy Mack depois de apanhar estão entre as mais comentadas nas redes sociais.

SUPER LUTAS lista outros grandes escândalos e crimes envolvendo atletas de MMA:

JOSH GRISPI: de quase desafiante de Aldo a prisão por tentativa de homicídio

Grispi (foto) responde a sete acusações pelo grave episódio de violência doméstica. Foto: Divulgação/UFC

Grispi (foto) responde a sete acusações pelo grave episódio de violência doméstica. Foto: Divulgação/UFC

Mais um caso recente e que envolveu um atleta que chegou a ser considerado como um dos mais promissores da categoria peso pena, com 14 vitórias em suas primeiras 15 lutas. Estrela ascendente no extinto WEC, Josh Grispi chegou ao UFC em 2011 como desafiante número um do campeão José Aldo, mas acabou não fazendo a luta após uma lesão do brasileiro. O norte-americano então enfrentou Dustin Poirier no UFC 125 e acabou derrotado. O revés parece ter mexido com Grispi, que perdeu as três seguintes e foi mandado embora do Ultimate em 2013, quando abandonou sua carreira.

Pois na última semana, Josh Grispi foi preso duas vezes por agredir sua esposa, com quem é casado ha´três anos e tem dois filhos, em uma ocorrência definida como ” o pior abuso doméstico já visto na cidade de Middleborough, Massachussets” por um policial que acompanhou os fatos. Grispi não só batia na mulher há dois anos como treinou seu cachorro pitbull para mordê-la assim que ele ordenasse. Após a prisão do ex-lutador, foram encontradas armas, munição, drogas e diversas mensagens de texto com sérias ameaças à mulher, que se encontra no hospital com ferimentos muito graves. Pelo crime, Josh responde a nada menos do que sete acusações.

LEE MURRAY: Ex-desafiante de Anderson Silva vira “Rei do Crime” na Inglaterra

Lee Murray (foto) foi responsável por um assalto a banco milionário. Foto: Divulgação

Lee Murray (foto) foi responsável por um assalto a banco milionário. Foto: Divulgação

Um dos casos mais assustadores de crimes envolvendo atletas de MMA é o do britânico Lee Murray. “Lightning”, como é conhecido, chegou a lutar no UFC e fez uma disputa de cinturão contra Anderson Silva no evento inglês Cage Rage, em sua última aparição como profissional, em 2004. Porém, de lá pra cá, a vida de Murray se transformou drasticamente e ele deixou de ser um lutador de relativa expressão para se tornar um dos maiores criminosos da história do Reino Unido – responsável por um assalto que, em valores arrecadados, foi dezenas de vezes superior ao famoso “Assalto ao Trem Pagador”.

Em 2006, Lee liderou um assalto a banco que rendeu à sua quadrilha incríveis US$ 97 milhões (ou R$ 221,1 milhões, pela cotação atual). Preso no mesmo ano no Marrocos, Murray foi declarado culpado em 2010 e cumpre pena no país africano. O assalto cinematográfico foi só o ponto mais alto (ou baixo) da carreira de crimes de “Lightning”, que incluíram ainda uma série de brigas de rua e até uma elaborada fuga da cadeia em que se encontra preso. Chegou a ser noticiado que a vida do ex-lutador viraria um filme, pelas mãos da produtora “Time Inc.”, mas até hoje a ideia não saiu do papel.

HERMES FRANÇA: Único brasileiro a lutar pelo cinturão dos leves cumpriu 42 meses de prisão

H. França (foto) foi preso em 2011. Foto: Divulgação/UFC

H. França (foto) foi preso em 2011. Foto: Divulgação/UFC

Campeão do extinto WEC, com vitórias sobre nomes como Caol Uno, Jamie Varner e Nate Diaz, o cearense Hermes França foi o único brasileiro até hoje a disputar o cinturão da categoria pesos leves (até 70 kg) no UFC. Porém, sua trajetória no MMA foi interrompida em 2011, quando aos 36 anos ele foi preso sob acusação de tentativa de abuso sexual contra uma menor de idade em sua academia de jiu-jitsu na cidade de Clackamas, no estado de Oregon.

Um ano depois de sua prisão, França fez um acordo judicial em que assumiu ser culpado no caso. Em abril deste ano, Hermes foi deportado ao Brasil por determinação da justiça norte-americana após cumprir pena de 42 meses em uma prisão estadual. No dia 28 de agosto, dois dias após completar 40 anos, o cearense fará sua volta ao MMA profissional contra Márcio Rodrigues Braga na luta principal do evento “Extrema Fighter: Nordeste”, que acontece em Fortaleza (CE).

Em sua passagem pelo UFC, Hermes França carrega outro fato, no mínimo, curioso. Em 2007, após a derrota para Sean Sherk em luta válida pelo título dos leves, os dois lutadores foram flagrados no exame antidoping pelo uso de substâncias ilegais. Com isso, mesmo tendo saído vitorioso, Sherk teve seu título retirado pela organização.

THIAGO SILVAA promessa invicta que acabou em perseguição policial exibida ao vivo na TV

T. Silva durante julgamento na Flórida. Foto: CBS Miami/Reprodução

T. Silva durante julgamento na Flórida. Foto: CBS Miami/Reprodução

Outro brasileiro que teve problemas com a lei nos Estados Unidos foi o meio-pesado Thiago Silva, que esteve próximo do cinturão da categoria quando fez o duelo de invictos contra Lyoto Machida no UFC 94, em 2009. Após a primeira derrota de sua carreira para Lyoto, que depois viria a se tornar campeão da divisão, Thiago parece ter perdido o rumo. Sem conseguir emplacar uma série de resultados positivos, o “Rei da Marra” passou a se destacar mais pelos episódios bizarros vividos fora do octógono – como quando teve a vitória contra Brandon Vera revertida em uma luta sem resultado após falsificar sua amostra de urina para o exame antidoping.

Mas seu pior momento chegaria em fevereiro de 2014. Na madrugada do dia 7, Thiago invadiu a academia do também brasileiro Pablo Popovitch em Boca Ratton (EUA) e ameaçou os presentes com uma arma de fogo, entre eles sua ex-esposa Thaysa Silva – que seria o principal alvo do ataque. Chamada pelas vítimas, a polícia local convocou uma equipe da SWAT (batalhão de operações especiais) e a perseguição do lutador pelas ruas da cidade na Flórida foram transmitidas ao vivo na televisão. Thiago permaneceu preso por um mês antes de ser liberado mediante pagamento de fiança no valor de US$ 25 mil (cerca de R$ 56 mil). Agora, ele responde ao processo em liberdade e deve voltar ao MMA profissional no dia 29 de agosto, no evento “Fight Time 20”.

RICCO RODRIGUEZ: Ex-campeão dos pesos pesados tem uma extensa ficha criminal

R. Rodriguez (foto) foi campeão do UFC em 2002. Foto: Divulgação/UFC

R. Rodriguez (foto) foi campeão do UFC em 2002. Foto: Divulgação/UFC

Ricco Rodriguez certamente não está entre os nomes mais reconhecidos pela nova geração do MMA, mas seu nome está gravado na história como o oitavo campeão na história da categoria de pesos pesados do UFC – com vitória sobre ninguém menos do que o membro do Hall da Fama Randy Couture. Mas além desse registro, Ricco possui outros vários em sua ficha criminal, quase tão extensa quanto seu cartel de 75 lutas profissionais.

Primeiro lutador na história do UFC a ser flagrado por uso de cocaína, Rodriguez teve sua dependência química publicizada durante participação na primeira temporada reality show Celebrity Rehab with Dr. Drew (“Reabilitação para celebridades, com Dr. Drew”,  em tradução livre), quando protagonizou um dos momentos mais bizarros da atração ao pular de um barco mesmo após ser alertado diversas vezes para não fazê-lo. Também é acusado por Tito Ortiz de ter-lhe roubado US$ 20 mil dólares para gastar com jogos. Em seu episódio mais lamentável, Rodriguez estava dirigindo alcoolizado e bateu seu carro em um caminhão. Após o acidente, o ex-lutador arrastou o corpo inconsciente de sua ex-namorada, a qual achou que estivesse morta, para o banco do motorista com a intenção de incriminá-la pelo ocorrido.

JOSH ROSENTHAL: Árbitro foi preso por tráfico com plantação de quase 1.500 pés de maconha

Josh Rosenthal (foto) foi preso por tráfico de drogas. Foto: Josh Hedges/UFC

Josh Rosenthal (foto) foi preso por tráfico de drogas. Foto: Josh Hedges/UFC

Se engana quem pensa que atividades ilícitas estão restritas aos atletas no meio esportivo, neste caso no MMA. Nem mesmo os juízes, ironicamente responsáveis pela manutenção da ordem e fiscalização do cumprimento das leis dentro do octógono, estão livres de se verem com a justiça. O caso mais alarmante já registrado é o de Josh Rosenthal, reconhecido no UFC e com dezenas de lutas da principal organização do planeta em seu currículo. O árbitro foi preso por tráfico de drogas na Califórnia devido à sociedade em uma armazém que contava com uma plantação de 1.356 pés de maconha.

Se primeiramente Josh se declarou inocente para a justiça norte-americana, em seguida o juiz admitiu sua culpa no caso e acabou condenado a 37 meses de prisão, multa de U$ 100 mil (aproximadamente R$ 227 mil) e dois anos de liberdade condicional pelo crime. A pena foi bem mais branda do que as estimativas iniciais, que apontavam até para prisão perpétua e pagamento de multa no valor de US$ 6 milhões (cerca de R$ 13 milhões).

JOE SON: Ex-UFC e PRIDE cumpre prisão perpétua nos EUA

Imprensa do EUA se refere a J. Son como "ator", apesar dele só ter participado de um filme na vida. Foto: Reprodução/CBS

Imprensa do EUA se refere a J. Son como “ator”, apesar dele só ter participado de um filme. Foto: Reprodução/CBS

Com um cartel ridículo de quatro derrotas em quatro lutas, ainda que uma delas no torneio do UFC 4 e outras duas pelo PRIDE, o sul-coreano Joe Son chegou a participar de um dos filmes da série “Austin Powers”, sátira de filmes de espionagem do humorista Mike Myers, mas chamou a atenção mesmo foi no noticiário policial.

Já cumprindo prisão perpétua nos Estados Unidos por estupro, tortura, sequestro e outras acusações, Son foi ligado a um violento crime sexual cometido em 1990 por meio de exame de DNA. Como se não bastasse, dois anos depois, em outubro de 2011, o sul-coreano foi acusado de matar seu companheiro de cela.

MAIQUEL FALCÃO: Brasileiro com passagens por UFC e Bellator foi de agressor à vítima

M. Falcão (foto) se envolveu em diversos escândalos. Foto: Josh Hedges/UFC

M. Falcão (foto) se envolveu em diversos escândalos. Foto: Josh Hedges/UFC

Em 2010, Maiquel Falcão tinha um respeitável cartel de 27 vitórias, apenas três derrotas e uma luta sem resultado, mas sua passagem pelo UFC se encerrou após somente  uma luta, marcada por diversas polêmicas, contra Gerald Harris. Como se não bastasse a confusão no octógono, foi descoberto que o brasileiro tinha sido preso em 2002 por agredir uma mulher do lado de fora de uma boate em Balneário Camboriú (SC).

Três anos depois, já tendo disputado o cinturão dos médios do Bellator, Maiquel voltou a se envolver em uma confusão em Santa Catarina, mas dessa vez passou de agressor à vítima rapidamente. Após assediar e agredir uma jovem em um posto de gasolina, Falcão deu início a uma briga generalizada e acabou sendo espancado por amigos da moça. Quem levou a pior foi seu amigo e também lutador Kauê Mena, que acabou hospitalizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave e teve passar por algumas cirurgias até se recuperar totalmente.

JOSEPH TORREZ: Lutador recebe ameaça, impede assalto e salva família

Joe Torrez foi um lutador que esteve do outro lado da moeda. Foto: Reprodução/Facebook

Joe Torrez foi um lutador que esteve do outro lado da moeda. Foto: Reprodução/Facebook

Mas nem só do lado de quem comete os crimes estão os atletas de MMA. Um caso registrado em janeiro deste ano nos Estados Unidos chamou a atenção do público. Com o retrospecto de apenas uma vitória em sete lutas como profissional, Joseph Torrez teve sua casa invadida por bandidos, que o ameaçaram por telefone minutos antes, mas impediu o assalto e salvou sua família.

O caso aconteceu na cidade de Las Cruces. Torrez recebeu uma ligação alertando sobre o assalto e dizendo que ele e sua família seriam mortos caso não deixassem a residência. Ao adentrarem a casa, os bandidos foram surpreendidos pelo lutador, que partiu pra cima dos quatro assaltantes. Houve luta corporal entre eles e na briga um dos ladrões acabou morto por golpes de faca, outro ficou desacordado e dois conseguiram fugir.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments