Cyborg revela planos no boxe e quer ‘luta da noite’ no UFC 214

Brasileira poderá se tornar dona do cinturão peso pena do UFC neste sábado (29) contra Tonya Evinger

C. Cyborg luta no UFC 214 (Foto: Reprodução Youtube UFC)

C. Cyborg luta no UFC 214 (Foto: Reprodução Youtube UFC)

Ainda que esteja focada na possibilidade de se tornar campeã mundial peso pena no UFC 214 deste sábado (29), Cris Cyborg admite que pode lutar boxe no futuro. A brasileira tem treinado com a bicampeã olímpica Claressa Shields em preparação para o seu duelo contra Tonya Evinger e descobriu uma nova paixão na nobre arte.

Veja Também

Cowboy e Albini estreiam no ranking do UFC após vitórias por nocaute
McGregor responde Tyson com provocação: ‘Eu sou o novo Don King’
Jon Jones volta a provocar Cormier: ‘Quero fazer você chorar de novo’

“Gosto muito de boxe, foi muito bom trabalhar com a Claressa, uma campeã olímpica, e quero sempre treinar com os melhores. Eu venho do MMA, é muita coisa pra aprender no boxe, mas é bom treinar com alguém que tem um nível em outra especialidade melhor que o seu. Me dá oportunidade de melhorar meu boxe, é perfeito (…) A gente vai continuar treinando juntas, após a minha luta quero ir a Michigan participar do camp de treinamento dela no boxe e evoluir meu jogo. Quem sabe, no futuro, posso fazer uma luta de boxe”, declarou Cyborg em entrevista ao programa “Revista Combate”.

Apesar de se apaixonar pelo boxe, a brasileira mantém o foco no MMA. Ela terá pela frente, no sábado, a norte-americana Tonya Evinger, campeã peso galo do Invicta e com bastante experiência. Cyborg alerta para a qualidade da adversária, rejeita ser imbatível e diz estar de olho de olho no prêmio de “Luta da Noite”.

“A Tonya vai ser uma grande adversária, a Megan Anderson não tem tanta experiência quanto a Tonya, que é a campeã da divisão de baixo no Invicta, então talvez pode até ser a luta da noite (…) Estou muito ansiosa pra essa luta, mas procuro não pensar na pressão que existe. Foco mais em fazer o que faço na academia todos os dias e o cinturão vai ser consequência. Não penso que sou imbatível e isso me motiva a treinar cada vez mais. Sempre treino como se eu fosse a desafiante número 1 a disputar o cinturão. Mesmo sendo campeã, eu nunca deixei de treinar, procurando evoluir o meu jogo, sei que as adversárias me estudam pra achar um jeito de ganhar de mim, então não posso parar no tempo”, comentou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments