Após derrota, Demian cogita mudança de peso e descarta aposentadoria

Perto de completar 40 anos, Demian Maia garantiu que ainda não pensa em pendurar as luvas

Demian garantiu que seguirá lutando (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

Demian garantiu que seguirá lutando (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

Demian Maia não conseguiu usar seu jiu-jítsu contra o campeão Tyron Woodley no UFC 214, no último sábado (29), em Anaheim (EUA), deixando escapar a oportunidade de conquistar o cinturão dos meio-médios (até 77kg). No entanto, engana-se quem pensa que o brasileiro se abateu com a derrota. Mesmo perto de completar 40 anos, Demian afastou a possibilidade de pendurar as luvas, além de cogitar uma possível mudança de divisão em seus próximos combates.

Saiba mais

Vídeo: Assista os melhores momentos de Woodley x Demian no UFC 214
Sob vaias, Woodley evita quedas de Demian e mantém título por decisão no UFC 214

“Infelizmente para os caras da minha divisão, vou continuar. Tenho mais energia para queimar e quero continuar lutando mais um pouco. Vamos ver o que acontece. Estão pensando em abrir divisões de 165lb (74,8kg), 175lb (79,4kg)… Nunca desisto. Vim para esta luta com cinco semanas de aviso, e deixo esta luta de cabeça erguida”, declaro Maia, durante entrevista coletiva após o evento.

Apesar de não ter conseguido impor seu jogo durante o combate, tentativas não faltaram da parte de Demian. Ao todo, foram 25 entradas de quedas aplicadas pelo brasileiro, que não obteve sucesso em nenhuma delas. Questionado sobre o que faltou para sair com a vitória, Maia preferiu enaltecer a estratégia traçada por Woodley.

“Ele teve a estratégia perfeita, tentei pressionar, conectei alguns socos, mas não foi o suficiente para ele sentir e eu completar minhas quedas. Eu estava tentando a luta inteira, por todos os cinco rounds. Vim aqui para vencer, não tenho desculpas. Tentei pressionar, tentei socar, tentei derrubá-lo por todos os cinco rounds. (…) O seu centro de gravidade é bem baixo, e ele é muito forte. Isso influencia, é claro, e o torna difícil de derrubar. Você precisa estar bem afiado para derrubá-lo. E ele defendeu muito bem as quedas, não consegui fazer a variação que eu normalmente faço para derrubar ou pegar suas costas”, concluiu.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário