Georges St. Pierre recusa desafio de Khabib: ‘Ele tem assuntos inacabados’

Ex-campeão dos médios e meio-médios revelou que o russo ainda tem pendências com evento e não pensa em voltar neste momento

GSP recusa desafio de Khabib (Foto: Reprodução/Twitter GeorgesSt.Pierre)

Assim que Khabib Nurmagomedov conquistou o cinturão dos leves (até 70,3 kg.) no UFC 223, evento realizado no último sábado (07), em Nova York (EUA), o lutador russo deixou de lado os desafetos Tony Ferguson e Conor McGregor. O novo campeão apontou seu desafio a Georges St. Pierre, ex-campeão dos meio-médios (até 77,1 kg.) e médios (até 84 kg.). Porém, afastado do octógono desde novembro de 2017, o canadense descartou o duelo contra Khabib.

Veja Também

GSP, que se recupera de uma grave infecção no intestino, ainda não tem previsão de voltar a competir. Além disso, ele considerou que Nurmagomedov tem ‘assuntos inacabados’ com o UFC, considerando que o russo deve defender seu cinturão contra Tony Ferguson e Conor McGregor.

“Sinto que o UFC e Khabib tem assuntos inacabados. [Eles precisam resolver] antes que eu siga adiante e tente o título dos leves”, disse Georges St. Pierre, em entrevista ao programa MMA Hour.

Georges. St. Pierre, de 37 anos, tem um histórico profissional de 26 vitórias e apenas duas derrotas. O canadense é o maior nome da história da divisão de meio-médios onde reinou até 2013, quando anunciou sua aposentadoria. Ele voltou a competir em 2017, pelo cinturão dos médios, e conquistou o título no UFC 217. Porém, uma grave infecção de intestino voltou a afastar de GSP do octógono. Ainda em fase de recuperação, GSP revelou que consideraria descer a categoria de leves e se tornar o primeiro atleta a ter o cinturão em três divisões diferentes.

Por sua vez, Khabib Nurmagomedov tem um cartel perfeito com 26 vitórias em 26 vitórias lutas. O russo conquistou o cinturão dos leves no UFC 223, no último sábado, quando dominou Al Iaquinta durante cinco rounds e conquistou o título vago da categoria.

Podcast #034: A volta de Borrachinha ao UFC e a possível aposentadoria de Fedor