Treinador de Jones acredita que tempo afastado prolongou carreira do lutador

Brandon Gibson afirmou que ficar fora do octógono fez com que ‘Bones’ pudesse focar em desenvolver suas habilidades técnicas e assim, terá uma longa carreira pela frente

J. Jones vai voltar a lutar no UFC 232. Foto: Reprodução/Facebook UFC

Jon Jones é o ex-campeão meio-pesados e se mantém entre os melhores lutadores da história das artes marciais mistas com seu currículo invejável. No entanto, o histórico de problemas em sua vida pessoal fizeram ‘Bones’ comprometer seu legado. Nos últimos três anos, ele atuou apenas duas vezes e permaneceu por 15 meses suspenso pela Agência Antidoping dos Estados Unidos. Entretanto seu treinador, Brandon Gibson acredita que o tempo afastado do octógono prolongou a carreira do atleta.

Veja Também

Comissão Atlética da Califórnia libera Jon Jones para lutar no UFC 232
Jones admite que teria deixado o UFC se suspensão da USADA fosse de quatro anos
Jon Jones admite uso de drogas durante preparação para o UFC 232

“Ele (Jon Jones) não está tendo seu cérebro chacoalhado (durante seu tempo afastado). Não está sofrendo concussões. Ele está cuidando do seu corpo e mente, e isso é importante – nesse nível que esses caras (atletas) se encontram. Isso não é um aspecto que vem com sparring ou algo do tipo. O tempo afastado em que nós não temos impacto, em que o corpo dele não está sendo espancado e quebrado, em que nós continuamos evoluindo as habilidades e técnicas e desenvolvendo ainda mais o Jon como um artista marcial é crucial. Ele tem 31 anos, tem uma longa carreira pela frente ainda, e ele (Jones) realmente acredita que esse tempo afastado prolongou bastante sua carreira”, afirmou Brandon em entrevista ao programa norte-americano The MMA Hour.

Gibson considera a rotina de atletas de MMA prejudicial ao desempenho dentro do octógono a longo prazo. Ele ainda explica que muitos lutadores que estão na meia-idade não têm um bom desempenho pelo desgaste que tiveram. Por isso, Brandon faz um trabalho focado na parte técnica com Jones e os benefícios vão ser demonstrados na luta com Alexander Gustafsson no UFC 232.

“Se ele ainda estivesse lutando de três a cinco vezes por ano, como fazia quando era mais novo, acredito que isso esgotaria ele mais cedo. Acho que é por isso que você começa a ver caras com trinta e poucos anos que são lentos, que não reagem, que não puxam o gatilho, eles não atuam mais como costumavam, e acho que isso se deve ao fato de treinarem em excesso, muitos camps e lutas. Então ter esse tipo de pré-camp, onde focamos apenas na técnica, tem sido muito bom para ele (Jon Jones). E isso será demonstrado na luta. Tivemos um longo tempo afastado antes da luta contra o Ovince Saint Preux, assim como contra a revanche contra ‘DC’, e ele voltou em forma, focado e renovado de diversas formas”, concluiu Gibson.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário