Jon Jones admite uso de drogas durante preparação para o UFC 232

Às vésperas do reencontro com Alexander Gustafsson, ‘Bones’ reconheceu que não está sóbrio e ainda faz uso de drogas: ‘Cansei de tentar esconder quem sou’

J. Jones volta a lutar em dezembro após 15 meses de suspensão. Foto: Reprodução/Facebook @jonbones.jones

Jon Jones fará seu retorno ao Ultimate no evento co-principal do UFC 232 na T-Mobile Arena em Las Vegas (EUA). ‘Bones’ vai enfrentar Alexander Gustafsson em revanche pelo título dos meio-pesados no dia 29 de dezembro. Em entrevista ao programa norte-americano Ariel Helwani’s MMA Show, o ex-campeão da divisão confessou uso de drogas durante preparação para o duelo com ‘Mauler’.

Veja Também

Gustafsson elogia Jon Jones, mas garante: ‘Vou nocauteá-lo’
Vídeo: Jon Jones empurra Gustafsson em coletiva de imprensa do UFC 232
Jones minimiza fama de trapaceiro por polêmicas com doping: ‘Eu sou bom para c***’

“Ainda bebo. Fumo maconha também de vez em quando. Cansei de tentar esconder que sou… (…). Não (bebo) uma quantidade louca. Em alguns fins de semana, principalmente nos fins de semana”, admitiu Jones.

‘Bones’ foi flagrado em três exames antidoping por uso de cocaína e esteróides. Além disso, Jones também causou um acidente de trânsito envolvendo três veículos, onde deixou ferida uma mulher grávida que dirigia um dos carros. Neste ano, o ex-campeão dos meio-pesados internou-se em uma clínica de reabilitação. Mesmo assim, Jones admitiu que ainda não conseguiu chegar à abstinência após sair do local.

“É algo pelo qual eu estava me esforçando, especialmente ao ir para a reabilitação no último verão. Estava me esforçando para conseguir estar completamente sóbrio, mas não estou pronto para isso. Não é quem eu era e não é quem eu sou na minha vida e na minha carreira. Estou num lugar no qual posso ser honesto comigo, mas estar neste lugar definitivamente me amadureceu muito”, contou Jon.

O confronto com Gustaffson será o primeiro de ‘Bones’ após ser suspenso por 15 meses pela USADA. Sua última atuação foi em julho de 2017, quando nocauteou Daniel Cormier e recuperou o cinturão, mas seu título foi retirado após ser flagrado no exame antidoping. O norte-americano defendeu seu título em oito oportunidades onde bateu lutadores como Maurício Shogun, Lyoto Machida, Vitor Belfort e Glover Teixeira.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário