Retrospectiva: As melhores finalizações de 2016

SUPER LUTAS especial traz as melhores finalizações do UFC em 2016

Holm foi finalizada por Tate no UFC 196. Foto: Jeff Bottari/UFC

Holm foi finalizada por Tate no UFC 196. Foto: Jeff Bottari/UFC

Veja Também

McGregor e Diaz travaram duelo épico em Las Vegas (EUA). Foto: Divulgação/UFC
Retrospectiva: As Melhores lutas de 2016
Vannata aplicou lindo chute rodado em Makdessi. (Foto: Getty Images)
Retrospectiva: Os melhores nocautes de 2016

O UFC em 2016 foi muito bom para especialistas em mata-leão. Dois dos maiores eventos da história da companhia tiveram suas lutas principais terminadas com esse tipo de finalização: no UFC 196, Nate Diaz surpreendeu Conor McGregor no segundo round, enquanto Amanda Nunes fechou o UFC 200 fazendo Miesha Tate bater e virando a nova campeã dos galos.

Além disso, o campeão mundial de jiu-jitsu Demian Maia também finalizou duas vezes no mata-leão, contra Matt Brown e Carlos Condit. Não é surpresa, portanto, que esse golpe seja o principal na lista de finalizações do ano no UFC em 2016. Não seria surpresa, então, que quatro das cinco maiores finalizações de 2016 tenham sido por mata-leão.

Veja abaixo a lista das cinco principais finalizações no Ultimate no último ano:

 

Miesha Tate vence Holly Holm por mata-leão – UFC 196

O duelo entre a então campeã Holm e a desafiante Tate, válido pelo UFC 196, em março, se encaminhava para uma vitória da dona do cinturão, que passara sufoco apenas no segundo round. No quinto assalto, porém, Miesha mostrou todo seu pedigree no chão, ao conseguir uma bela queda e, pacientemente, buscar a finalização.

Holly se distraiu e deu as costas para a desafiante, que logo encaixou um justíssimo mata-leão. A campeã se debateu, mas apagou ao invés de bater. Vitória e título históricos para Miesha Tate.

Nate Diaz vence Conor McGregor por mata-leão – UFC 196

Com pouco mais de uma semana para se preparar, Nate Diaz passou sufoco no primeiro round do histórico UFC 196. O norte-americano substituiu o lesionado Rafael Dos Anjos contra McGregor e o irlandês fez excelente round inicial, abrindo alguns ferimentos no rosto de Diaz.

No segundo assalto, Nate achou sua distância e com uma combinação de jab e direto, atordoou McGregor. O então campeão dos penas entrou em pânico e buscou a queda. Diaz logo inverteu e caiu por cima montado. Mais alguns socos e Conor deu as costas. Daí, logo veio a finalização, uma das mais marcantes da história do UFC.

 

Khabib Nurmagomedov vence Michael Johnson por kimura – UFC 205

Determinado a garantir que sua próxima luta seria pelo cinturão dos leves, Khabib Nurmagomedov entrou possesso contra Michael Johnson, no UFC 205. Após sofrer brevemente em pé para o norte-americano, a “Águia” iniciou um monólogo no chão, punindo duramente a “Ameaça” durante dois rounds.

No terceiro assalto, após dialogar com o próprio Johnson, pedindo que ele desista, Khabib finalmente encaixou uma kimura, conseguindo sua 24ª vitória na carreira, a oitava no UFC e a oitava finalização no MMA. Porém, ainda não se sabe se ele conseguiu a sonhada chance pelo título. A decisão ficou para 2017.

Amanda Nunes vence Miesha Tate por mata-leão – UFC 200


A brasileira Amanda Nunes foi a grande vencedora do UFC 200. A poucos dias do evento, sua luta com a então campeã Miesha Tate foi promovida à principal do histórico evento. Na hora do combate, a Leoa mostrou todo seu arsenal em pé, atordoando Tate repetidamente, até que o duelo foi para o chão. Lá, Nunes mostrou toda a qualidade de sua faixa preta de jiu-jitsu, rapidamente pegando as costas.

Logo depois, encaixou um mata-leão justíssimo. A norte-americana bateu, mas parecia fora de si, já que depois que Amanda soltou a finalização, ela tentou continuar lutando.

 

Demian Maia vence Carlos Condit por mata-leão – UFC Vancouver

O duelo entre Maia e Condit opôs o magnífico jogo de chão do brasileiro às excelentes técnicas em pé do norte-americano na luta principal do UFC Vancouver, no final de agosto. Melhor para Demian, que não deu espaço para o rival, e colocou para baixo.

Daí, nem o fluido jogo de guarda de Condit foi capaz de deter Maia, que avançou posições, indo da meia-guarda para a montada e logo encaixou um mata-leão, que obrigou o norte-americano a desistir.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário