Polícia investiga manipulação de resultado em UFC na Coreia do Sul

Lutador local teria combinado derrota para receber dinheiro por fora. Show teve Ben Henderson x Jorge Masvidal na luta principal

Bang (esq) x Kuntz (dir): luta sob suspeita (Foto: UFC)

Bang (esq) x Kuntz (dir): luta sob suspeita (Foto: UFC)

A polícia da Coreia do Sul está investigando a possibilidade de manipulação do resultado de uma luta entre um atleta local e um norte-americano no evento que o UFC fez no país em 2015. Capitaneado pela luta entre Ben Henderson e Jorge Masvidal, o UFC Seul ocorreu em 28 de novembro daquele ano e viu a última luta do ex-campeão dos leves na promoção. Bendo venceu “Gamebred” na decisão unânime.

Veja Também

Dileno foi vice campeão do TUF Brasil 4. Foto: Ed Mulholland/Zuffa LLC
Ex-UFC critica apoio amazonense a Vivian do BBB em vez de Ketlen Vieira
Ponzinibbio vem de quatro vitórias consecutivas (Foto:  Buda Mendes/UFC)
Ponzinibbio desafia Magny: ‘Posso vencer qualquer um da categoria’
Johnson (esq) cogitou superluta contra McGregor (dir) (Fotos: UFC/Montagem: Super Lutas)
Após igualar recorde de Spider, Johnson quer superluta contra McGregor

Segundo informações do site norte-americano “Bloody Elbow’, o representante da Coreia do Sul teria concordado em perder de propósito para ganhar o equivalente a US$ 88 mil. Além disso, o atleta teria feito uma aposta de metade desse valor na vitória do seu oponente. No fim das contas, o atleta acabou vencendo por decisão. A investigação começou quando o lutador, que não teve seu nome divulgado oficialmente pela polícia, começou a receber ameaças por ter vencido o combate e entrou em contato com as autoridades, explicando o ocorrido.

Ainda que as publicações do país e a polícia tenham mantido a identidade do lutador em segredo, a maior especulação é em torno do nome de Tae Hyun Bang, que enfrentou Leo Kuntz. Isso porque Bang é o único sul-coreano que venceu um norte-americano por decisão naquele evento.  Uma outra curiosidade dá margem para que o duelo entre Bang e Kuntz seja o alvo das investigações: durante a semana do combate, Leo Kuntz era o azarão na casa de apostas, mas poucas horas antes do evento, virou o favorito com margem de quatro para um, ou seja, cada dólar apostado em Kuntz rendia apenas 20 centavos.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário