Cinco motivos para assistir o UFC 241 neste sábado

Daniel Cormier defende o título dos pesados contra Stipe Miocic na luta principal do evento; Paulo Borrachinha e Raphael Assunção são os representantes tupiniquins neste sábado

S. Miocic (Esq.) e D. Cormier (Dir.) fazem a luta principal do UFC 241. Foto: Reprodução/Instagram @dc_mma

A cidade de Anaheim (EUA) vai ficar agitada neste final de semana. Com 12 lutas confirmadas, o UFC 241 chega para abalar as emoções dos entusiastas do MMA neste sábado (17). Além da disputa do cinturão dos pesados (até 120,2kg.) entre Daniel Cormier e Stipe Miocic, o card traz os brasileiros Paulo Borrachinha e Raphael Assunção com lutas importantes, além de marcar o retorno do polêmico Nate Diaz após três anos de inatividade.

Veja Também

Romero causa apreensão, mas bate peso e garante luta contra Paulo Borrachinha no UFC 241
Vídeo: Assista à pesagem do UFC 241, com Cormier, Miocic, Borrachinha e Raphael Assunção. AO VIVO!
Khabib comenta agressão de Conor em bar: ‘Tem que ir para a cadeia’

Na principal atração da noite, Corimer fará sua segunda defesa de cinturão em revanche contra Stipe Miocic. O lutador, que conquistou o cinturão em cima do oponente em julho do ano passado, tenta garantir mais uma vitória na carreira e colocar seu nome como um dos maiores atletas de MMA de todos os tempos.

No card principal, o aguardado confronto entre o brasileiro Paulo Borrachinha e Yoel Romero vai, finalmente, acontecer. Após ser agendado e cancelado em três oportunidades, neste final de semana, os atletas vão trocar forças de olho em uma futura disputa pelo título dos médios (até 83,9kg.), que hoje pertence a Robert Whittaker (linear) e Israel Adesanya (interino).

O evento também vai proporcionar ao público o retorno de Nate Diaz, que retorna ao octógono e estreia entre os meio-médios (até 77kg.) contra o ex-campeão dos leves (até 70,3kg.), Anthony Pettis.

No preliminar, Raphael Assunção busca se recuperar da derrota para o compatriota Marlon Moraes e troca forças contra o norte-americano, Cory Sandhagen, na busca de retornar aos holofotes da divisão dos galos (até 61,2kg.).

O evento começa às 19h15 (horário de Brasília) com o card preliminar. A partir das 23h, acontecerão as lutas principais.

Para entrar no clima, nossa equipe selecionou cinco motivos para acompanhar o UFC 241. Confira:

1 – Cormier e a busca pela hegemonia

D. Cormier (foto) e seus dois cinturões. Foto: Reprodução/Facebook UFC

Ao longo de quase 10 anos como profissional no MMA, Cormier conquistou grandes feitos em sua vitoriosa carreira. Campeão do extinto ‘Strikeforce’ e com apenas uma derrota em sua trajetória, o lutador segue fazendo história dentro do esporte.

Neste final de semana, DC fará sua segunda defesa de cinturão desde que tomou o posto de Stipe Miocic, em julho do ano passado. Na ocasião, o norte-americano subiu de categoria e abdicou de seu título dos meio-pesados (até 93kg.) para tentar a sorte entre os pesados (até 120,2kg.). Deu certo. No confronto que marcou o embate principal do UFC 226, Cormier conseguiu aplicar um nocaute em Stipe no primeiro round e se tornou mais um dos combatentes a ostentar dois cinturões em categorias diferentes.

Aos 40 anos, no entanto, Daniel já afirmou que não pretende estender sua carreira por muito tempo. Corre nos bastidores das artes marciais mistas que, em caso de uma nova vitória, a diretoria do Ultimate estaria disposta a realizar um terceiro duelo entre ele e seu eterno rival, Jon Jones, único atleta capaz de vencer DC em sua carreira no MMA (2015).

Desafetos confessos, os lutadores já manifestaram o interesse em dividirem o octógono em uma terceira oportunidade. Há de se lembrar que, na última vez que se enfrentaram (2017), Jones venceu por nocaute, mas o resultado da luta foi alterado para ‘sem vencedor’, após ‘Bones’ ser flagrado em um exame antidoping por ingerir substâncias proibidas em período de treinamento.

Existe, também, a premissa, estabelecida recentemente pelo próprio Daniel, que, caso volte a derrotar Miocic, ele poderá ser considerado o maior peso pesado da história, haja vista que Stipe foi o atleta da divisão que realizou mais defesas de títulos (três).

2 – Miocic e a aguardada revanche

S. Miocic (foto) com seu antigo cinturão. Foto: Reprodução/Twitter @ufc_brasil

Desde que foi batido por Cormier, em julho do ano passado, Stipe solicitou que o UFC fosse marcada uma revanche imediata, pensando em seus feitos enquanto campeão e pedindo para que fosse levado em consideração o fato de ser o atleta que mais conseguiu realizar defesas de títulos entre os pesados.

A diretoria da empresa, no entanto, não atendeu ao pedido do norte-americano e acabou realizando o embate entre Daniel e o ‘gigante’ Derrick Lewis, em que DC saiu vitorioso. Desde então, Miocic permaneceu sem atuar pelo MMA e viu alguns dos candidatos ao título falharem em seus combates que poderiam levá-los a uma disputa de cinturão, como é o caso dos ex-campeões, Cain Velasquez, e do brasileiro Júnior Cigano; derrotado em seu último compromisso contra o franco-camaronês, Francis Ngannou, que já foi derrotado por Stipe.

Os planos de Stipe também foram frustrados após os promotores do Ultimate declararem abertamente uma negociação para realizar uma super luta entre DC e o ex-campeão, Brock Lesnar, o que deixou Miocic em segundo plano. Sem acordo com Lenar, o UFC, então, optou por dar a nova chance ao bombeiro e casar o combate para este sábado.

Caso consiga bater Cormier, Miocic poderá colocar um grande ponto de interrogação na divisão, pois não se sabe se optariam por uma revanche imediata em um terceiro confronto, ou se, de fato, Daniel optaria por encerrar sua carreira aos 40 anos.

3 – O retorno de Nate Diaz

Nate Diaz não luta desde agosto de 2016. Foto: Reprodução/Instagram @natediaz

Um dos atletas mais empolgantes do Ultimate está de volta. Após três anos de inatividade, o UFC 241 terá uma grande atração em seu combate co-principal. Nate Diaz, famoso por suas polêmicas e icônicas performances dentro da organização, irá encarar o ex-campeão dos leves (até 70,3kg.), Anthony Pettis, que já foi um dos maiores nomes da empresa.

Vindo de derrota para Conor McGregor, em um resultado que o norte-americano abertamente contesta, o lutador deixou a divisão, hoje dominada por Khabib Nurmagomedov, e subiu para os meio-médios para encarar o ‘Showtime’. Diaz aumentou seu peso sob a alegação de que já teria batido todos os nomes de sua antiga categoria.

Aos 34 anos, o lutador coloca fim em seu hiato na carreira e realiza seu 31º combate como atleta profissional. Colecionador de polêmicas, o norte-americano buscará sua 20ª vitória em um cartel que soma 11 derrotas atualmente.

4 – Enfim, Borrachinha x Romero

Y. Romero (dir.) encara P. Borrachinha (esq.)no UFC 241. Foto: Reproduçõa/Instagram @borrachinhamma

Um dos duelos mais aguardados da atualidade é o encontro entre Yoel Romero e o brasileiro Paulo Borrachinha. O combate, no entanto, não se trata de uma revanche ou um desentendimento passado. Nada disso. A peleja entre Paulo e Yoel é, além de se tratar do combate entre dois grandes atletas, famoso por seu famoso ‘chove e não molha’.

Os atletas já tiveram a oportunidade de se enfrentar em três diferentes ocasiões. No entanto, o confronto nunca ocorreu por infelicidades do destino envolvendo cada um. Desta vez, não há como fugir. Após a pesagem oficial, realizada nesta sexta-feira (16), os dois atletas bateram o peso limite e garantiram o combate na terceira apresentação do card preliminar.

A batalha, além da expectativa de podermos observar a troca de forças entre os lutadores, marca a possibilidade de o vencedor do combate poder se garantir como o próximo desafiante ao título, que hoje pertence a Robert Whittaker (campeão linear) e Israel Adesanya (interino). O combate pela unificação do título está marcado para 6 de outubro, na Austrália.

Atualmente, Romero figura na segunda posição no ranking do médios, enquanto Borrachinha está na sétima. Uma vitória do brasileiro pode garantir um salto na categoria para o mineiro e o colocar em uma colocação de destaque na elite da categoria.

Além da possibilidade de se tornar um desafiante, Paulo também defende sua invencibilidade na carreira. O mineiro, de 28 anos, soma 12 duelos e nenhuma derrota na carreira. Dos 12 triunfos, 11 foram por nocaute.

5 – Raphael e a busca pela redenção

R. Assunção encara C. Sandhagen no UFC 241. Foto: Montagem SL / MMA Press

Desde que estreou no UFC, em 2011, Raphael Assunção é um nome a ser respeitado dentro da divisão dos galos (até 61,2kg.). Mesmo que seu debute tenha sido com derrota para o norte-americano Erik Koch, o brasileiro conseguiu se superar e, após o revés, conseguiu somar sete triunfos consecutivos, o que o colocou na elite da divisão.

Uma amarga derrota para TJ Dillashaw (2016), ex-dono do título da divisão, o impediu de se aproximar da chance pelo cinturão. No entanto, uma nova sequência de vitórias (quatro), o colocou frente a frente com o compatriota Marlon Moraes. Com a promessa de que o vencedor do combate, que foi agendado para fevereiro deste ano, seria o desafiante à próxima luta pelo título, os tupiniquins se enfrentaram na luta principal do UFC Fortaleza.

Moraes saiu vencedor e colocou Raphael, de novo, na escalada rumo ao posto de número um. No embate deste sábado, Assunção terá pela frente o jovem Cory Sandhagen, 10 anos mais novo e atual número sete do ranking. Uma vitória colocará o brasileiro, novamente, na condição de poder sonhar com a luta pelo cinturão, hoje, ostentado por Henry Cejudo.

Raphael, atualmente, é o terceiro entre os top 5, atrás apenas de Moraes, derrotado recentemente pelo campeão (1º), e Aljamain Sterling, que possivelmente desafiará Cejudo no futuro.

Ficha técnica do UFC 241

DATA: 17 de agosto de 2019

HORÁRIO: A partir das 19h15 (horário de Brasília)

LOCAL: Honda Center, Anaheim, Califórnia, EUA

COMO ASSISTIR: Canal Combate

CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília):

Peso pesado (até 120,2kg.): Daniel Cormier x Stipe Miocic – luta por cinturão

Peso meio-médio (até 77kg.): Anthony Pettis x Nate Diaz

Peso médio (até 83,9kg.): Yoel Romero x Paulo Borrachinha

Peso-pena (até 65,7kg.): Gabriel Benítez x Sodiq Yusuff

Peso-médio (até 83,9kg.): Derek Brunson x Ian Heinisch

CARD PRELIMINAR (19h15, horário de Brasília):

Peso leve (até 70,3kg.): Devonte Smith x Khama Worthy

Peso galo (até 61,2kg.): Raphael Assunção x Cory Sandhagen

Peso leve (até 70,3kg.): Christos Giagos x Drakkar Klose

Peso galo (até 61,2kg.): Manny Bermudez x Casey Kenney

Peso palha (até 52,1kg.): Hannah Cifers x Jodie Esquibel

Peso galo (até 61,2kg.): Kyung Ho Kang x Brandon Davis

Peso mosca (até 56,7kg.): Sabina Mazo x Shana Dobson

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments