Promessa dos galos, Cory Sandhagen derrota Raphael Assunção no UFC 241

Brasileiro, terceiro no ranking do peso galo, tentava se recolocar na corrida pelo cinturão da categoria, mas foi parado pelo 9º na classificação

C. Sahdhagen (dir.) derrota R. Assunção (esq.) no UFC 241. Foto: Reprodução/Instagram @ufc_brasil

A volta ao octógono não foi da forma que Raphael Assunção esperava. O brasileiro não conseguiu impor sua estratégia no duelo contra Cory Sandhagen no UFC 241, realizado neste sábado (17), em Anaheim (EUA), e acabou derrotado na penúltima luta do card preliminar na decisão unânime dos juízes. O pernambucano foi o primeiro atleta tupiniquim a se apresentar no card.

Saiba mais

Borrachinha vence guerra contra Romero no UFC 241 e fica próximo do cinturão
Miocic devolve nocaute em Cormier e recupera cinturão dos pesados no UFC 241

O recifense subiu ao octógono tentando apagar a derrota sofrida para o compatriota Marlon Moraes, em fevereiro deste ano, no UFC Fortaleza. A derrota para Marlon colocou uma pausa no sonho de Raphael em se tornar um possível desafiante ao título de sua divisão.

O adversário do pernambucano, Cory, entrou para a luta com o compromisso de bater o terceiro do ranking. Em nono na classificação, o norte-americano é considerado uma das promessas do Ultimate e realizou o duelo vindo de seis triunfos consecutivos.

No combate, a maior envergadura e velocidade de Cory desfavoreceram a estratégia do brasileiro, que encontrou muita dificuldade de conectar seus socos, além de não ter sido capaz de realizar as transições quando conseguia derrubar seu oponente.

A derrota provavelmente fará com que Assunção caia, ao menos, uma posição no ranking dos galos, que hoje tem o norte-americano Henry Cejudo como campeão. Com a vitória, Cory se colocou em meio à elite da categoria.

A luta

Raphael começou o combate tomando a iniciativa ao desferir um bom chute baixo em Cory. O atleta recebeu o contra-ataque do oponente com um chute alto, mas não acusou o golpe. Sandhagen conseguiu surpreender o brasileiro com um uppercut, mas o pernambucano não acusou a investida. Assunção aguardava os ataques do norte-americano para realizar suas ações. Cory se mostrava muito veloz e levava vantagem no combate. Com dificuldade de encontrar a distância, o brasileiro soltava socos que passavam no vazio. O norte-americano tentava encurralar o recifense nas grades, o que obrigava Raphael a se movimentar bastante pelo octógono. Restando pouco mais de um minuto para o fim do round, Sandhagen tentou levar o combate para o chão, mas o brasileiro se defendeu bem. Após receber alguns chutes baixos, a parte interior da coxa direita de Assunção já apresentava uma vermelhidão. Assunção permaneceu pressionado até que o round foi encerrado.

O segundo assalto teve início com Raphael insistindo nos chutes baixos, mas Cory respondia com os mesmos chutes, mas com mais eficiência. Sandhagen voltou a pressionar Assunção na grade e desferir alguns golpes, mas o brasileiro conseguiu se desvencilhar e logo conseguiu uma queda no norte-americano. O pernambucano caiu por baixo, tentou buscar uma posição melhor, mas Cory conseguiu se defender bem. Sandhagen conseguiu se levantar, mas novamente foi colocado para baixo por Raphael. O adversário do recifense era veloz e dificultava o trabalho de Assunção para tentar a finalização. Raphael conseguiu pegar o braço direito do oponente, mas não havia espaço para realizar o giro. Não havia mais tempo para o pernambucano progredir na investida.

Na última etapa, Cory, logo nos segundos iniciais, voltou a desferir um bom chute na coxa de Assunção. Muito veloz até no último round, Sandhagen administrava bem o resultado favorável conquistado nas etapas anteriores. Após dois minutos disputados, Raphael voltou a tentar uma queda no oponente, mas o norte-americano se defendia bem encostado nas grades. Após nova tentativa, Raphael conseguiu derrubar o oponente, mas Cory logo se levantou. No minuto final, Assunção conquistou aplicar uma bela queda em Sandhagen, mas o norte-americano impressionava na preparação física e defesas. No fim, os atletas entraram para a trocação franca, levantando o público, mas não havia tempo para mais nada.

Cifers derrota Esquibel e emplaca quarta derrota seguida da rival

H. Cifers em vitória pelo UFC 241. Foto: Reprodução/Instagram @shockwavecifers

O UFC 241 marcou mais uma derrota para a norte-americana, Jodie Esquibel. A atleta, que não conseguiu vencer sequer um combate desde que estreou no Ultimate, em 2017, sofreu seu quarto revés consecutivo pela companhia. Em disputa fria contra Hannah Cifers, Esquibel saiu derrotada na decisão unânime dos juízes após três rounds mal disputados. Após o resultado negativo, Jodie fica em situação difícil dentro da organização.

O duelo começou com Hanna tomando a inciativa soltando dois jabs no rosto de Jodie. A compatriota fazia a leitura da estratégia de Cifers e economizava nos golpes. Passados dois minutos, Esquibel arriscou buscar as pernas da oponente para tentar levar o combate para o chão, mas a norte-americana se defendeu bem. Hannah arriscava chutes baixos e na linha de cintura, n entanto não surtiam efeito. Jodie respondeu com um bom chute na adversária, que sorriu ao sofrer a investida. Cifers, apesar de soltar mais golpes, adotava cautela para não se cair em uma armadilha feita por Jodie. No minuto final, Esquibel começou a se soltar e conseguiu conectar uma boa sequência de chutes e socos em Cifers, a compatriota, no entanto, absorveu bem. No fim da etapa, Jodie voltou a tentar uma queda e quase conseguiu, mas Cifers conseguiu fortalecer sua base e permanecer de pé, até que a buzina soou.

No segundo round, as atletas permaneciam sem ação. Sem soltar o jogo, as lutadoras permaneciam esguias e evitavam o contato direto. Jodie lançava socos que passavam no vazio, enquanto Hannah arriscava chutes sem potência na oponente. Próximo aos três minutos, Esquibel conseguiu uma boa queda na adversária e começou a buscar uma finalização. Por cima, Jodie desferia alguns golpes, mas sem eficácia, logo, então, o árbitro fez com que as atletas retornassem à luta de pé. Jodie, novamente, tentou uma queda, mas caiu em uma posição pior, deixando o braço livre. Hannah quase aproveitou a situação e finalizou a oponente, mas Esquibel conseguiu sair da situação. Nos segundos finais, as combatentes começaram a se soltar com socos e chutes, mas não havia mais tempo.

O último assalto teve, novamente um início morno. As atletas não conseguiam encontrar a distância e acabavam não trocando golpes de contato efetivo. Sem se expor, Cifers conectava jabs e chutes no intuito de pontuar, porém, Esquibel conseguiu levar a adversária para o chão novamente. De novo sem ação, o árbitro voltou a solicitar que as atletas retornassem o combate em pé. No fim, elas entraram para a trocação franca, mas não havia mais tempo.

Em luta técnica, Kenney derrota Bermudez e tira invencibilidade do adversário

Um dos melhores combates do card preliminar foi o encontro entre os compatriotas Manny Bermudez e Casey Kenney. Os atletas mostraram uma grande qualidade na luta no chão e, após três rounds bem disputados, Kenney foi declarado o vencedor na decisão unânime dos juízes. O triunfo marcou a segunda peleja e vitória de Casey no UFC. Manny, por sua vez, amargou a primeira derrota na carreira. O atleta subiu ao octógono com 14 combates e nenhuma derrota.

Kenney iniciou o duelo lançando um chute alto, que passou com perigo próximo ao rosto de Bermudez. O compatriota respondeu com um direto no rosto do oponente. Casey, novamente, arriscou um chute alto, explodindo na guarda de Manny. Bermudez conseguiu uma boa queda no adversário e começou a trabalhar para tentar uma finalização. Casey conseguiu se levantar e devolveu imediatamente a queda no norte-americano. O atleta tentava passar a guarda para encontrar uma melhor posição no chão. Bermudez conseguiu se defender bem e se levantou. De pé, Kenney se mostrava mais agressivo e conseguiu conectar bons socos no rosto de Manney, que sorria em resposta. O round, então, chegou ao fim.

De volta ao combate, Casey novamente começou mais agressivo, desferindo dois chutes baixos e um alto. Em desvantagem, Bermudez conseguiu uma nova queda no adversário e novamente começou a buscar a finalização. No chão, Kenney mostrou toda a sua qualidade no chão e conseguiu um belo giro para sair da posição. A peleja se mostrava bastante técnica no solo e Casey estava em vantagem. Passados dois minutos de luta, Casey buscou uma chave de pescoço, mas não conseguiu uma posição boa para impor a pressão necessária. Na tentativa de se desvencilhar de Kenney, Bermudez acabou dando as costas para o adversário e acabou ficando em uma situação complicada, mas o compatriota perdeu a posição e o duelo voltou a ser disputado em pé. Manny, então, tentou se recuperar e começou a desferir bons socos no rosto do adversário. No minuto final, o atleta conseguiu derrubar o oponente, mas Kenney conseguiu voltar para a posição de meia guarda. O round, no entanto, encerrou.

No último round, Bermudez mostrava uma melhor condição física, mas acabou surpreendido por um cruzado de esquerda, porém, não se abalou. Mais cansado, Kenney começava a aceitar alguns golpes e mostrar menos fôlego. Ciente da desvantagem, Casey conseguiu uma boa queda, mas Manny conseguiu reverter a situação após usar a grade para pegar impulso e conseguir um giro. O combate, no entanto, estava sem ação e o árbitro advertiu os atletas. Bermudez ganhava tempo e alternava entre buscar a finalização e golpear o rosto do oponente com socos, porém, o assalto acabou.

Drakkar Klose derrota Christos Giagos em combate empolgante

D. Klose em vitória pelo UFC. Foto: Reprodução/Instagram @drakkar_klose

Drakkar Klose e Christos Giagos promoveram um verdadeiro espetáculo na noite deste sábado. Os atletas atuaram em alto nível durante três rounds bastante movimentados. No fim das etapas, Klose foi anunciado o vencedor na decisão majoritária dos juízes. O triunfo representou a 11ª vitória do norte-americano na carreira e a quinta em seis combates no UFC. O revés do compatriota encerrou uma sequência de duas vitórias de Giagos.

O combate começou movimentado com os lutadores arriscando golpes no corpo. Klose tomou a iniciativa com um chute na região do estômago de Giagos, que logo respondeu, também com um chute. Agressivo Christos contra-atacava as investidas do adversário até que levou o oponente para a grade. Os atletas desferiam joelhadas na barriga tentando minar o oxigênio um do outro e Drakkar conseguiu se desvencilhar da posição. Apesar de soltar bons golpes, Drakkar era vítima fácil da luta agarrada imposta pelo compatriota, que, de novo, voltou a prensar o oponente na grade. Klose se afastou e o combate foi levado para o centro do octógono. Nos segundos finais, Drakkar partiu para cima do oponente com tudo e desferiu dois socos seguidos, mas o assalto foi encerrado.

Na segunda etapa, os lutadores partiram para cima um do outro. Quando um atacava, o outro defendia, até que Giagos conseguiu colocar o duelo no chão. Drakkar mostrou atenção e conseguiu rapidamente se levantar, mas Christos insistia no combate agarrado. Novamente Giagos conseguiu derrubar o compatriota e conectou bons socos no rosto do adversário. Klose deixou o pescoço exposto e Giagos logo tentou um mata-leão, bem defendido por Drakkar. A situação de Klose permanecia complicada, porém, Giagos perdeu a posição. Após o mau momento, Drakkar começou a atacar o oponente e começava a reverter o resultado no round. Mais cansado, Giagos, agora, foi levado ao chão e começou a sofrer duros golpes no rosto. Ofegante, Christos tentava se defender, mas os socos do adversário começavam a entrar de cima para baixo, mas não havia mais tempo.

Antes de retornar para a última etapa, o médico do UFC entrou no octógono para avaliar a mandíbula de Giagos após a suspeita de uma lesão. O atleta, no entanto, afirmou estar bem e o combate continuou. Logo no início, Christos se desequilibrou após um chute baixo desferido por Klose. Em melhor condição física, Drakar mostrava mais tranquilidade para o combate. Giagos, por sua vez, estava visivelmente exausto. Klose desferia socos, mas, mesmo cansado, Chistos respondia. O combate ficava empolgante, pois os atletas desferiam golpes sem medo. No minuto final, Drakkar conseguiu levantar Giagos e permaneceu por alguns segundos com o corpo do oponente nos ombros, levando o público ao delírio. Após o episódio, o norte-americano soltou o corpo e caiu por cima do oponente. No fim, os atletas partiram para a trocação franca, mas não houve mais tempo.

Resultados do UFC 241

CARD PRINCIPAL

Peso pesado (até 120,2kg.): Stipe Miocic derrotou Daniel Cormier por nocaute a 4m09s do R4 – luta por cinturão

Peso meio-médio (até 77kg.): Nate Diaz derotou Anthony Pettis na decisão unânime dos juízes (30-27, 29-28, 30-27)

Peso médio (até 83,9kg.): Paulo Borrachinha derrotou Yoel Romero na decisão unânime dos juízes (29-28 29-28 29-28)

Peso-pena (até 65,7kg.): Sodiq Yusuff derrotou Gabriel Benítez por nocaute a 4m14s do R1

Peso-médio (até 83,9kg.): Derek Brunson derrotou Ian Heinisch na decisão unânime dos juízes (29-28 29-28 29-28)

CARD PRELIMINAR

Peso leve (até 70,3kg.): Khama Worthy derrotou Devonte Smith por nocaute a 4m15s do R1

Peso galo (até 61,2kg.): Cory Sandhagen derrotou Raphael Assunção na decisão unânime dos juízes (30-27, 29-28, 30-27)

Peso leve (até 70,3kg.): Drakkar Klose derrotou Christos Giagos na decisão unânime dos juízes (29-28, 29-28, 29-28)

Peso galo (até 61,2kg.): Casey Kenney derrotou Manny Bermudez na decisão unânime dos juízes (29-28, 29-28, 29-28)

Peso palha (até 52,1kg.): Hannah Cifers derrotou Jodie Esquibel na decisão unânime dos juízes (30-28, 30-27, 30-27)

Peso galo (até 61,2kg.): Kyung Ho Kang derrotou Brandon Davis na decisão dividida dos juízes (29-28 28-29 29-28)

Peso mosca (até 56,7kg.): Sabina Mazo derrotou Shana Dobson na decisão unânime dos juízes (30-25, 30-24, 30-25)

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário