Francisco Massaranduba analisa luta contra Jai Herbert neste sábado: ‘O cara é bom’

Brasileiro revela frustração por não enfrentar um adversário ranqueado, mas mostra expectativa para o confronto do final de semana

F. Massaranduba caminha para entrar no octógono. Foto: Reprodução/Facebook UFC

Um dos mais carismáticos lutadores de MMA brasileiro, Francisco Massaranduba está pronto para seu 22º compromisso pelo Ultimate. Com luta marcada para este sábado (25), no UFC Ilha da Luta 3, em Abu Dhabi, o peso leve (até 70,3kg.) analisou o rival Jai Herbert e espera emplacar sua terceira vitória consecutiva.

Veja Também

Henry Cejudo pressiona Dana White por disputa de terceiro cinturão: ‘Me deixe fazer história’
Mike Tyson volta aos ringues em luta contra Roy Jones Jr, em setembro
Treinador com tatuagem nazista causa polêmica ao aparecer em transmissão do UFC

“Legal que o cara é bom. Quero que ele solte o jogo dele lá, que eu vou soltar o meu. Eu treino para lutar com o melhor. Se ele for o melhor, ele vai aguentar os três rounds. Se ele não for o melhor, ele não vai aguentar os três rounds, não”, afirmou o brasileiro em entrevista ao ‘Combate’.

Embora esteja satisfeito por participar de um dos cards da famosa ‘Ilha da Luta’, Francisco revelou uma mágoa com a organização por não ter sido escalado para enfrentar um adversário do top 15. Ainda assim, Massaranduba mostrou profissionalismo e se preparou bem para o confronto contra o inglês, que estreia no UFC neste sábado.

“Eu pedi um cara ranqueado, pedi um cara de nome, mas eles disseram que não tinha. Mas a gente tem que lutar. No começo, a gente fica um pouco chateado, mas tem que aceitar. Esse é o trabalho da gente. Então, a gente tem que lutar com qualquer um”, contou o atleta.

Aos 41 anos e próximo de completar 33 apresentações desde sua estreia no MMA profissional, Francisco contou que está muito bem fisicamente para o novo desafio. O combatente falou do processo de preparação para a luta durante a pandemia.

“Eu treinei até mais do que das outras vezes. (…) No meu isolamento, eu treinava escondido. Tenho um bocado de parceiros do meu peso. Nós escolhemos os caras que tinham o biotipo do cara lá e treinamos normal. Sempre treinei com as mesmas pessoas, com os meus meninos. Como nós somos um time bastante grande, tem bastante gente do meu peso, então treino para mim não faltou”, encerrou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments