Com luta neste sábado, Weidman reconhece momento delicado na carreira: ‘Preciso vencer’

Com cinco derrotas nas últimas seis lutas, ex-campeão dos médios analisa retrospecto recente a fala sobre confronto contra Omari Akhmedov no final de semana

C. Weidman foi detentor do cinturão dos médios por dois anos. Foto: Reprodução/Instagram @chrisweidman

Responsável por encerrar a hegemonia de Anderson Silva nos médios (até 83,9kg.), Chris Weidman está longe dos seus momentos de glória no MMA. Vindo de cinco derrotas nas últimas seis lutas, o ex-campeão da divisão tem compromisso contra Omari Akhmedov neste sábado (8), pelo UFC Las Vegas 6 e entende a necessidade de vencer para seguir na organização.

Veja Também

Rodolfo Vieira e Markus Maluko se enfrentam em 10 de outubro pelo UFC
Khabib manda recado a Justin Gaethje antes de luta no UFC 254: ‘Não sou Dustin ou Tony’
McGregor leiloa luvas, bermuda e bandeira de sua última luta no UFC; Valores ultrapassam R$ 280 mil

“Eu preciso de uma vitóira. Preciso retomar o caminho das vitórias. Acho que tenho muitas vantagens nessa luta, mas, quando se está lá (no octógono), você nunca sabe o que vai acontecer”, disse o norte-americano em entrevista ao ‘MMA Fighting’.

Com uma extensa lista de grandes adversários em seu cartel como profissional nas artes marciais mistas, Weidman admitiu que, quando topou o desafio de encarar Omari, não conhecia o adversário. Após analisar o oponente, Chris, então, reconheceu as qualidades do novo rival.

“Eu só queria lutar. Honestamente, eu nunca tinha ouvido falar dele. Nem meu empresário conhecia. Daí, fui pesquisar e ele tem crescido. Está no UFC por um tempo e tem alterado entre meio-médio (até 77kg.) e médio”, explicou, antes de completar. “Ele vem de uma boa sequência de vitórias e está no top 15. Será uma das primeiras vezes que não estou enfrentando alguém do top 15, mas ele é um garoto duro. Acho que é um bom ‘casamento”, contou o ex-campeão.

Sequência negativa no UFC

Mundialmente famoso por ter derrotado, por duas vezes, uma das maiores lendas da história do esporte, ambas em 2013, Weidman analisou seu retrospecto recente na organização. Sem vencer desde julho de 2017, o norte-americano justificou a má fase com os atletas de alto nível que enfrentou nos últimos anos.

“É um esporte muito duro. Os fãs também são duros, mas é meio que motivador. Eu tenho uma vitória nas últimas seis lutas, mas vejam quem eu enfrentei e um dos que ganhei (Kelvin Gastelum) e ele se saiu muito bem. Em todas as lutas, tirando a com (Dominick) Reyes (em outubro do ano passado), eu estava vencendo. É isso que acontece, às vezes”, afirmou.

Como atleta de alto rendimento, Chris afirmou que pretende sempre enfrentar os melhores. A derrota, então, segundo o lutador, é algo que pode acontecer em um esporte tão imprevisível.

“Você enfrenta todos esses caras bons. Nem sempre sairá com a mão levantada. Existe uma aleatoriedade sobre quem vence na noite. Coisas aleatórias acontecem, não quer dizer que a pessoa é a melhor na luta”, finalizou.

O confronto deste sábado na luta co-principal da noite marcará o retorno de Chris aos médios após um teste frustado entre os meio-pesados (até 93kg.). O atleta tenta retomar o prestígio conquistado depois de assumir o posto de campeão da divisão entre 2013 e 2015.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments