Cinco defesas de cinturão, trilogias com Liddell e Shamrock e treta com Dana: conheça Tito Ortiz, o Bad Boy de Huntington Beach | SUPER LUTAS

Cinco defesas de cinturão, trilogias com Liddell e Shamrock e treta com Dana: conheça Tito Ortiz, o Bad Boy de Huntington Beach

Dono de longa história no MMA, Tito Ortiz é o adversário de Anderson Silva em luta profissional de boxe neste sábado (11)

T. Ortiz é ex-campeão do UFC. Foto: Divulgação/Facebook

Adversário de Anderson Silva em luta profissional de boxe no próximo sábado (11), Tito Ortiz é um nome consagrado no MMA, principalmente no UFC, organização pela qual foi campeão e lutou durante maior parte de sua carreira.

Veja Também

Além do talento para as artes marciais, que o fez campeão meio-pesado (até 93 kg) do UFC com cinco defesas bem sucedidas do título, Tito Ortiz também contou com o carisma e muitas rivalidades, inclusive com o presidente Dana White, para se tornar um dos atletas mais populares do MMA.

O começo da trajetória

Filho de pais viciados em heroína, Tito Ortiz não teve infância fácil em Huntington Beach, na Califórnia, e ainda jovem se viu envolvido com drogas e gangues nas ruas. A grande virada de chave veio aos 19 anos, quando, após ser colocado de fora de casa pela própria mãe, encontrou um antigo treinador de wrestling do colegial que o encorajou a se matricular na faculdade.

Em 1997, aos 22 anos, Tito Ortiz fez sua estreia no octógono no UFC 13. Como ainda estava na faculdade, competiu como amador, sem contrato ou salário. Tito derrotou Wes Albritton por nocaute técnico aos 30 segundos do primeiro round e acabou selecionado para enfrentar Guy Mezger na grande final do torneio dos meio-pesados, na mesma noite. Apesar de ter dominado a maior parte da luta, Tito acabou sendo finalizado por uma guilhotina e perdendo a chance do primeiro título no Ultimate.

O longo reinado nos meio-pesados

A segunda chance de disputar um título do UFC, já em um formato mais parecido com o atual, veio após três vitórias consecutivas, incluindo uma sobre seu primeiro algoz, Guy Mezger. Tito enfrentou Frank Shamrock pelo título dos meio-pesados, mas acabou derrotado por nocaute técnico naquela que foi considerada a luta do ano em 1999.

A frustração durou pouco. Após enfrentar Tito Ortiz, Frank Shamrock anunciou a aposentadoria e abdicou do título. O UFC então casou o duelo entre Tito e o brasileiro Wanderlei Silva pelo cinturão vago. Os dois se enfrentaram no UFC 25, em Tóquio, e o “Bad Boy de Huntington Beach” saiu vitorioso por decisão unânime, finalmente conquistando o cinturão dos meio-pesados e dando início a um longo reinado na divisão.

No total, foram mais de três anos com o cinturão e cinco defesas de título contra Yuki Kondo, Evan Tanner, Elvis Sinosic, Vladimir Matyushenko e Ken Shamrock. O reinado durou até setembro de 2003, quando Tito foi derrotado pelo então campeão interino Randy Couture.

Trilogias contra Ken Shamrock e Chuck Liddell

T. Ortiz (dir) venceu C. Liddell (esq.) aos 4m24s do primeiro round. Foto: Reprodução/Instagram @goldenboyboxing

É impossível falar de rivalidades no MMA sem passar pelo nome de Tito Ortiz. De todas em que se envolveu, duas se transformaram em trilogias históricas que ajudaram muito a popularizar o esporte.

A primeira grande rivalidade de Tito Ortiz foi contra Ken Shamrock. Apesar de só terem se enfrentado pela primeira vez em novembro de 2002, a rivalidade teve início bem antes, em 1999.

Quando derrotou Guy Mezger, atleta da equipe de Ken Shamrock, Tito Ortiz, com todo seu estilo provocador, vestiu uma camisa com os dizeres: “Guy Mezger é minha p***”. A provocação causou a ira de Shamrock e resultou em uma briga homérica nos vestiários.

Muito mais pesado que Ortiz, Ken Shamrock aceitou descer de categoria e enfrentar o rival pelo título dos meio-pesados mesmo sem lutar no Ultimate desde 1996. A luta entre os dois triplicou o recorde de pay-per-view do UFC e acabou com vitória de Tito, após o córner de Shamrock jogar a toalha.

Os dois se enfrentaram novamente em duas oportunidades mais de quatro anos depois. Os duelos realizados em julho e outubro de 2006 tiveram o mesmo desfecho do primeiro: vitórias avassaladoras de Tito Ortiz.

Se a rivalidade com Ken Shamrock foi forjada no ódio, o mesmo não se pode dizer da história de Tito Ortiz com Chuck Liddell. Contemporâneos, o “Bad Boy de Huntington Beach” e o “Homem de Gelo” treinavam juntos e tinham uma relação de amizade a medida que se tornavam dois dos maiores meio-pesados do mundo. Apesar de negarem a possibilidade se enfrentar por muito tempo, o encontro ficaria inevitável a medida que continuavam ganhando suas lutas.

Após muitos pedidos do público e com o afastamento natural entre os dois, o duelo foi confirmado. Tito e Liddell se enfrentaram pela primeira vez em abril de 2004, após o “Bad Boy de Huntington Beach” perder o título para Randy Couture. Dominando a luta do início ao fim, Chuck Liddell nocauteou Tito Ortiz no segundo round.

Os dois voltaram a se enfrentar em dezembro de 2006, com mais uma vitória de Liddell por nocaute, desta vez para defender o título dos meio-pesados conquistado no mesmo ano. A trilogia foi finalizada mais de uma década depois, em novembro de 2018, com Tito Ortiz conseguindo a vitória de honra por nocaute contra um Liddell aposentado há mais de oito anos em evento realizado pela Golden Boy Promotions.

Relação de amor e ódio e “quase luta” com Dana White

Ainda como atleta do UFC, T. Ortiz usa camiseta provocando Dana White. Foto: Arnold Lin

Neste sábado (11), Tito Ortiz irá fazer sua estreia no boxe profissional contra Anderson Silva. O que nem todo mundo sabe, no entanto, é que o norte-americano esteve perto de estrear na nobre arte em 2007 contra ninguém menos que Dana White, o presidente do UFC.

Dana White foi o primeiro empresário de Tito Ortiz. A relação dos dois começou a se deteriorar quando Dana assumiu a presidência do UFC. Após Ortiz deixar o Ultimate em 2005 no meio de uma disputa contratual, os dois começaram a se atacar na imprensa.

Em 2006, Tito Ortiz retornou ao UFC, mas com uma condição curiosa: o ex-campeão dos meio-pesados iria enfrentar o presidente Dana White em uma luta de boxe totalmente sancionada e com transmissão televisiva. A luta, obviamente, nunca aconteceu, e um culpa o outro pelo cancelamento até hoje. Em 2020, Dana White alegou que treinou muito para o combate e que seria capaz de derrotar Tito na ocasião.

Outro momento marcante da rivalidade entre os dois aconteceu em maio de 2008. Durante a pesagem do UFC 84, Tito Ortiz apareceu vestido com uma camisa com os seguintes dizeres: Dana White é minha p***”. No dia seguinte, o “Bad Boy de Huntington Beach” perdeu para o brasileiro Lyoto Machida e deu mais um adeus temporário ao Ultimate. Em 2009, o lutador voltou à organização e em 2010 sacramentou as pazes com o presidente durante a pesagem do UFC 121, ao vestir uma camisa com os dizeres: “Dana White é meu heroi” antes de ser derrotado por Matt Hamill.

O pós-UFC: breve aposentadoria, Bellator e prefeitura interina de Huntington Beach

T. Ortiz retornou ao MMA no Bellator Foto: Divulgação/Bellator

Entre idas e vindas, Tito Ortiz permaneceu no UFC até julho de 2012, quando foi derrotado por Forrest Griffin no UFC 148 e optou por se aposentar após a luta.

A decisão, no entanto, não foi definitiva. Pouco menos de dois anos depois, o “Bad Boy de Huntington Beach” retornou à ação no Bellator, onde conquistou três vitórias e perdeu uma única luta, válida pelo cinturão dos meio-pesados, contra Liam McGeary. Depois da boa passagem pelo Bellator, colocou as luvas mais duas vezes para derrotar Chuck Liddell, em 2018 e Alberto El Patrón, em 2019.

Em 2020, Tito Ortiz decidiu se aventurar na política em sua cidade natal. O lutador conquistou uma das três vagas disponíveis na câmara municipal de Huntington Beach liderando as eleições entre 15 candidatos com quase 35 mil votos. Com sucesso na nova empreitada, Ortiz chegou a se tornar prefeito “Pro Tempore”, uma espécie de prefeito interino da cidade. Em junho deste ano, no entanto, o bad boy surpreendeu e renunciou ao cargo alegando perseguição e atritos com colegas de Conselho Municipal.

 

Podcast #30: Aquecimento para o UFC 266 com duas disputas de cinturão e migué de Romero no Bellator

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments