Justin Gaethje critica árbitro da luta contra Chandler por ‘erro que poderia ter custado US$ 1 milhão’

Vencedor de possível 'Luta do Ano' no UFC 268, Gaethje não poupou o árbitro Mike Beltran de críticas após o combate

J. Gaethje (dir.) derrotou M. Chandler (esq.) no UFC 268. Foto: Reprodução/Instagram

Justin Gathje saiu vitorioso de uma forte candidata a “Luta do Ano” contra Michael Chandler no UFC 268, disputado no último sábado (6), mas não ficou 100% contente com o que aconteceu no octógono naquela noite. De acordo com Gaethje, o resultado poderia facilmente ter sido outro por conta de um erro cometido pelo árbitro central do combate, Mike Beltran.

PUBLICIDADE:

Veja Também

No segundo round da luta, Justin Gaethje foi atingido por uma dedada no olho acidental de Michael Chandler. A hesitação do árbitro em parar a luta fez com que Gaethje fosse atingido por um forte soco de Chandler antes da interrupção. Durante participação no podcast “Anik and Florian”, Gaethje desabafou sobre o ocorrido.

“Odeio criticar o cara. Ele é humano, e todos cometemos erros. Eu só acho que todo árbitro que pisa no octógono tem um certo olhar como se estivesse em choque, intimidado pelo que está acontecendo. Eu entendo, mas é vida real. Preciso que eles estejam em modo de jogo. Não estamos lidando com segundos, são bem menos que segundos. Se você vai interromper a ação, você precisa colocar seu corpo no meio. Se você vai ser atingido por um golpe, isso não pode ser um problema. Foi um grande soco. E se ele tivesse me nocauteado? Essas coisas podem mudar completamente a direção de uma luta. É uma loucura para mim que isso não tenha sido visto como uma grande questão, porque para mim foi uma grande questão. Se eu perco, é US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 5,5 milhões) que eu deixo de receber”, disse Gaethje.

PUBLICIDADE:

De acordo com Justin Gaethje, foi necessário insistir para que o árbitro o desse tempo de se recuperar da dedada no olho.

“Quando ele falou comigo, eu achei que ele estava se referindo ao soco que eu tinha acabado de levar, e falei que estava tudo bem. Como lutador, você nunca diz que não está bem para continuar. Então ele mandou a luta seguir e eu tive que falar para ele que precisava do tempo de recuperação por causa do dedo no olho. Ele nunca olhou meu olho, não tirou nem um segundo para ver se foi afetado. Não consigo entender como isso aconteceu, por que isso aconteceu ou que p**** aconteceu”, finalizou o lutador.

PUBLICIDADE:

Podcast #39: Prévia de Aldo, Charles e Amanda + 14 anos de SUPER LUTAS