Daniel Cormier enaltece trajetória de Henry Cejudo e fala sobre possível retorno do ‘Triplo C’ ao MMA

DC tratou de elogiar ‘Triplo C’, mas adota cautela sobre possível 'furada de fila' na divisão dos penas (até 65,7kg.)

D. Cormier (esq.) e H. Cejudo (dir.) são amigos de longa data. Foto: Reprodução/Twitter

Apontado, por muitos, como um dos maiores nomes da história dos esportes de combate pela medalha de ouro no Wrestling nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, e por ter sido campeão de duas categorias (moscas e galos) no UFC, Henry Cejudo cogita sair da aposentadoria e ‘flertou’ com a luta contra Alexander Volkanovski na tentativa de deter o cinturão da terceira categoria diferente na organização.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Em entrevista ao ‘The Schmo’, no entanto, o ex-campeão e atual comentarista Daniel Cormier tratou de elogiar o ‘Triplo C’ por sua trajetória como profissional, mas concorda com a decisão do Ultimate em promover ‘Zumbi Coreano’ como substituto de Max Holloway – que precisou se retirar da trilogia por ter lesão agravada – na disputa pelo título dos penas (até 65,7kg.).

“Como você pode questionar um cara que conseguiu ser campeão em duas categorias de peso diferentes e mostrou que pode ser vitorioso seja nas Olimpíadas ou no MMA? Ainda assim, acho que (o próximo) deveria mesmo ser Zumbi Coreano e o campeão (Alexander Volkanovski) quer lutar contra ele. Sempre que temos um cara tentando mudar sua categoria de peso, há um grande debate sobre isso (furar a fila). A única coisa sobre o Henry Cejudo é que ele sempre vence. É difícil apostar contra ele. Mas essas situações são difíceis, pois todos os que tentam uma chance pelo cinturão dos penas ficariam chateados”, disse Cormier.

PUBLICIDADE:

Disposto a fazer história e se tornar o primeiro lutador da organização a somar três títulos em seu histórico, Cejudo não sobe no octógono desde o triunfo sobre Dominick Cruz, em 2020. Depois de bater o ícone dos galos, o atleta, ainda no octógono, anunciou sua aposentadoria. Em sua carreira nas artes marciais mistas, são 16 triunfos e dois reveses.

Podcast #45: Volkanovksi sem desafiante e brasileiros no 1º UFC do ano