Deiveson revela ‘trairagem’ de Moreno contra Cejudo e promete vingança em luta pelo cinturão no UFC 270

Brasileiro fala com exclusividade ao SUPER LUTAS sobre trilogia e chance de recuperar trono em 22 de janeiro

Pouco mais de uma semana para sua trilogia contra Brandon Moreno, Deiveson Figueiredo é só confiança. Disposto a recuperar o cinturão dos moscas (até 56,7kg.) no UFC 270, que acontece em 22 de janeiro, o brasileiro abriu o jogo sobre a motivação para o duelo. Em bate-papo exclusivo ao canal no YouTube do SUPER LUTAS, o ‘Deus da Guerra’ destacou os treinos com Henry Cejudo e não tem dúvidas de que reassumirá o trono do grupo.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Um dos maiores destaques do Ultimate em 2020, Deiveson acabou não repetindo o sucesso daquela temporada em 2021. Na revanche contra Brandon Moreno, em junho, o atleta foi finalizado, mas, segundo o paraense, são águas passadas.

Treinos com Cejudo

Para evoluir ainda mais no MMA, Figueiredo esqueceu uma antiga rivalidade com Henry Cejudo e se instalou nos Estados Unidos para treinar com o ex-duplo campeão da organização. Grato, o brasileiro não escondeu a admiração pelo ‘Triplo C’.

PUBLICIDADE:

“Hoje, eu tenho um carinho muito grande pelo Henry. A academia, ele, Eric Albarracin me abraçaram. (…) Quero até ficar aqui (nos Estados Unidos). Para viver da luta, tenho que estar focado. (…) O Cejudo é um cara muito inteligente. Não é à toa que é considerado um dos caras mais estratégicos do UFC. É um prazer total, ainda mais aprendendo, ele me treinando todos os dias. É um sonho que está sendo realizado”, afirmou.

‘Trairagem’ de Moreno

Focado em devolver a derrota sofrida para Brandon Moreno em 2021, Deiveson falou sobre uma suposta ‘traição’ do atual campeão dos moscas com Henry Cejudo. Para o brasileiro, a história alimenta a motivação para superar o mexicano.

PUBLICIDADE:

“O ‘Bebê Chorão’ (Moreno) veio morar com o Henry Cejudo, trouxe a família. Chegou um tempo e ele (Moreno) viajou para a Califórnia, se não estou enganado, para ajudar o (Joseph) Benavidez a lutar contra o Henry Cejudo (em 2016). Nunca mais ele voltou. O Henry já falou: ‘quero que você arranque a cabeça desse cara’. Missão dada é missão cumprida”, garantiu.

PUBLICIDADE:

Falhas corrigidas

A preparação com Cejudo trouxe a Deiveson uma nova visão sobre seu estilo. O brasileiro, assim, falou sobre correções e adaptações para evolução de suas técnicas.

“Principalmente defesas de queda (foram corrigidas). A minha primeira derrota dentro do UFC eu perdi sendo colocado para baixo. (…) Venho treinando bloqueio de queda, defesa e, chegando aqui no Henry Cejudo, é casa de lutadores de wrestling. (…) Bloqueio de quedas, como cair e levantar, me tornando um cara mais explosivo. Esse ponto de ser colocado para baixo, vou estar bem forte”, disse.

Erros para o UFC 263

Destronado em junho da temporada passada, Figueiredo abriu o jogo sobre falhas que influenciaram em sua derrota para Moreno. No UFC 263, o brasileiro acabou finalizado e perdendo o cinturão do grupo.

“Na minha opinião, eu não cometi erros no dia da luta, mas, sim, antes. Teve a questão da minha empresa, o peso. Cheguei com 66kg. no evento. É muito peso para tirar. Já comecei errando por aí. Quando chegou o dia da pesagem, estava prestes a não bater mais peso. Estava esgotado. Foi difícil demais. Cheguei estourado no dia da luta, mentalmente. Hoje, não. Eu já me enxergo dentro do octógono, vendo o Moreno. Agora, somos nós dois. Vamos resolver nossa prosa”, afirmou.

Cenário da luta

Em novo cenário, Figueiredo desabafa sobre como imagina a trilogia transcorrendo. Para Deiveson, não há chances de derrota.

“Imagino colocando para baixo e batendo bastante nele. Isso aconteceu na segunda luta, mas não fiz nada, apenas travei. Tentei sair para uma guilhotina e ele defendeu muito bem. Acabei dando as costas para ele duas vezes e, na segunda ele me finalizou. (…) Treinei muito defesa de costas, montada, saída”, encerrou.

Histórico dos atletas

No UFC 270, Deiveson atingirá a marca de 24 lutas como profissional no MMA. Campeão dos moscas em 2020, o brasileiro de 34 anos soma 20 vitórias, duas derrotas e um empate.

Líder do grupo até 56,7kg., Brandon Moreno tenta êxito em sua primeira defesa de título. O mexicano de 28 anos chega para o confronto com um cartel de 19 triunfos, cinco reveses e dois empates.

Podcast #45: Volkanovksi sem desafiante e brasileiros no 1º UFC do ano