AO VIVO

Acompanhe a PFL 5 2022, com esquadrão brasileiro em ação

Strickland lamenta não ter causado mais dano a Hermansson no UFC Las Vegas 47: ‘Deveria ter sangrado mais’

Sétimo colocado no ranking dos médios, norte-americano admitiu que a chance de lutar pelo título fez com que ele 'tirasse o pé'

S. Strickland em entrevista coletiva após o UFC Las Vegas 47 (Foto: Instagram/UFC)

Na luta principal do UFC Las Vegas 47, realizado no último sábado (05), Sean Strickland derrotou Jack Hermansson na decisão dividida dos juízes. No entanto, mesmo tendo vencido um oponente melhor colocado no ranking, o norte-americano não ficou satisfeito com sua performance.

PUBLICIDADE:

Veja Também

273448790_466060211673761_1651317780394049112_n

Em entrevista coletiva realizada após o evento, Strickland confessou que se sentiu pressionado e lamentou não ter deixado Hermansson “mais ensanguentado e machucado” ao fim da luta.

“Eu deixei a pressão me dominar. Eu sabia que era melhor que ele, vocês sabiam que eu era melhor que ele. Ele era um cara que eu deveria talvez nem finalizar, mas ele deveria ter ficado mais ensanguentado e machucado depois da luta, mas não ficou. Tirei meu pé do acelerador e só passei pela luta. Não acho que eu dei meu máximo, mas esse é o preço de ser um mer**. Sem bônus para mim”

PUBLICIDADE:

Sean Strickland afirmou que o motivo de se sentir pressionado durante o confronto contra Jack Hermansson foi ter ouvido de “engravatados” que pode disputar o cinturão dos médios em breve.

“Nenhum de vocês veste terno, então posso falar isso para vocês. Tem um monte de filhos da p*** engravatados que chegam para mim e começam a falar sobre lutar pelo cinturão e coisas do tipo. Você ouve isso o tempo todo e começa a pensar se quer arriscar ser nocauteado quando pode lutar pelo título em breve. Então eu deixei os caras chiques de terno me tirarem um pouco do foco, mas não vai acontecer novamente”, prometeu Strickland.

PUBLICIDADE:

Podcast #67: Durinho fez o pix para Yanex após nocaute em lutador que falou mal do Brasil + UFC Austin: card do ano