Posição de ‘três-apoios’ pode ser revista nas regras do MMA

Três das comissões atléticas mais influentes dos EUA querem impedir que lutadores forcem faltas

Na posição de John Dodson (bermuda cinza) acima, um lutador poderá ser golpeado na cabeça mesmo se tocar o chão com uma mão. Foto: Josh Hedges/UFC.com

Na posição de John Dodson (bermuda cinza) acima, um lutador poderá ser golpeado na cabeça mesmo se tocar o chão com uma mão. Foto: Josh Hedges/UFC.com

Atualmente, quando um lutador encosta qualquer parte do corpo que não os pés no solo, não pode ser golpeado na cabeça por chute ou joelhada. Esta regra pode ser revista e alterada a partir desta quarta-feira.

A Associação das Comissões de Boxe (ABC Boxing), entidade que reúne todas as comissões atléticas estaduais que regulamentam os esportes de combate nos Estados Unidos, fará uma reunião onde se discutirão mudanças nas regras do MMA. Uma das alterações que será proposta é a mudança da leitura da posição de três-apoios.

Os diretores executivos das comissões atléticas de Nevada, Nova Jérsei e Ohio, três das mais influentes dos Estados Unidos, querem evitar que lutadores tirem proveito da regra impedindo ataques de um rival por causa de um dedo encostado no piso, por exemplo. Para os dirigentes, lutadores devem poder ser golpeados em situações assim.

“Árbitros devem instruir os lutadores que eles serão considerados em posição de pé mesmo se tiverem um dedo ou parte da mão (ou a mão inteira) no chão. A critério do árbitro, um lutador que tiver com um dedo ou mão no chão poderá ser golpeado na cabeça com joelhadas e chutes. O árbitro deve decidir se um lutador ou lutadora está colocando a mão ou dedo no chão sem fazer nenhuma ação ofensiva ou uma manobra para tentar melhorar sua posição. O árbitro deve decidir se o lutador simplesmente está tentando provocar uma falta. Se o árbitro decidir que um lutador está tocando o solo simplesmente para tirar proveito de uma falta, ele deve considerar que o lutador está de pé e decidir que nenhuma falta ocorrerá”, diz um trecho do documento.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments