Weidman: ‘Minha preocupação é que o Vitor seja pego no antidoping de novo’

Norte-americano ainda destacou suas habilidades e disse que é capaz de vencer Belfort seja na trocação ou no jogo de chão

C. Weidman (foto) encara V. Belfort em dezembro. Foto: Josh Hedges/UFC

C. Weidman (foto) encara V. Belfort em dezembro. Foto: Josh Hedges/UFC

Se o duelo de Chris Weidman e Vitor Belfort no octógono acontece somente no dia 6 de dezembro,, a batalha dos microfones já teve início. Comentando sobre a luta principal do UFC 181 e audiência na Comissão Atlética de Nevada que garantiu Vitor como seu desafiante, Weidman falou, em tom provocativo, que sua maior preocupação para o combate é que o adversário seja flagrado em um exame antidoping em Las Vegas (EUA) pela terceira vez em sua carreira.

“Não assisti ao julgamento. Eu estava na piscina com os meus filhos e perdi a noção do tempo, mas gostaria de ter visto a forma como ele se portou. Porém, assim que acabou, eu fui informado do que aconteceu. Se eu acho que ele faria algo desonesto? Eu não me surpreenderia, porque ele já foi pego trapaceando duas vezes. Eu não me surpreenderia se ele fizesse alguma coisa estúpida novamente. Minha maior preocupação é que ele seja pego (no antidoping) de novo. Mesmo se ele estiver tomando algo ilegal. Eu naõ me importo. Só não seja pego fazendo isso, porque eu quero essa luta esteja ele usando algo ou não. Essa é a luta que eu quero, e ele é o cara em quem eu quero bater”, disse o campeão dos médios ao site “Sherdog”.

Apesar das palavras duras, o norte-americano disse manter o respeito Vitor, mas garantiu que seu reinado na divisão até 84 kg vai ser longo. “Tenho muito respeito por Vitor Belfort e tenho muito respeito pelo octógono. Qualquer um que suba lá tem o meu respeito. O segundo que eu deixar de respeitar os lutadores e o octógono será o segundo que levará para eu perder o cinturão. Mas meu reinado como campeão será muito longo. Ninguém me tirará o título por muito, muito tempo”, sentenciou.

Para garantir sua permanência como campeão, Weidman analisou seu próprio jogo e destacou sua versatilidade como chave para superar Belfort onde quer que o duelo transcorra. “Eu me vejo como um lutador versátil e sinto que posso fazer o que eu quiser lá dentro. Posso lutar em pé e nocauteá-lo ou sinto que posso levar para o chão e finalizá-lo. Nada virá de maneira fácil, e sempre espero alguma resistência dos meus rivais, mas vou concluir meu trabalho, não importa se for para nocauteá-lo ou finalizá-lo. Vou fazer o meu trabalho”, concluiu.

No dia 6 de dezembro, no Mandalay Bay, em Las Vegas (EUA), Chris Weidman põe sua previsão à prova. Na data, o campeão dos médios enfrenta o desafiante brasileiro Vitor Belfort na luta principal do UFC 181. No evento co-principal da noite, Anthony Pettis defende o cinturão dos leves pela primeira vez contra Gilbert Melendez, em duelo que também marca o desafio dos técnicos da 20ª temporada do reality show The Ultimate Fighter.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments