Lutadores do UFC acusam patrocinador de calote e fazem cobrança nas redes sociais

Gegard Mousasi, Rick Story e Patrick Cotê se uniram para exigir o pagamento da marca "Fear The Fighter"

Em setembro, Mousasi exibia o patrocínio que hoje lhe traz dor de cabeça. Foto: Josh Hedges/UFC

Em setembro, Mousasi exibia o patrocínio que hoje lhe traz dor de cabeça. Foto: Josh Hedges/UFC

Uma grande confusão envolvendo lutadores do UFC e um dos grandes fornecedores de material esportivo da atualidade no octógono agitou as redes sociais nesta terça-feira (09). Tudo começou com uma reclamação publicada pelo peso médio Gegard Mousasi, que acusou a marca “Fear the Fighter” de não ter efetuado o pagamento referente ao patrocínio de suas últimas lutas, e se estendeu por outros atletas que também fizeram coro às acusações.

Veja Também

Trajetória de Ronda Rousey vai se tornar livro escrito por sua irmã
Werdum diz que unificação do cinturão contra Velasquez será em junho no México
Ex-Power Ranger se oferece para primeira luta de CM Punk no UFC
Confira os melhores cliques do UFC 181, que coroou Robbie Lawler como campeão

“Ei, Fear the Fighter, vocês rejeitaram minhas duas últimas lutas e ainda me devem dinheiro da minha primeira luta. Vocês devem a mim e a outros lutadores. Todos os lutadores do UFC: eu os encorajo a falarem sobre os patrocinadores que estão roubando vocês. Nós temos que nos apoiar”, publicou o lutador, que ainda fez um apelo direto ao dono da empresa, David Makdessi, irmão do lutador John Makdessi. “Seu irmão é um lutador do UFC, mas você está roubando dos seus colegas de trabalho. Que vergonha. Pague suas dívidas!”, disparou.

A cobrança de Mousasi encontrou apoio no peso meio-médio Rick Story, que também compartilhou sua história. “Também me adiciono à lista. Não fui pago pela Fear The Fighter em minhas últimas duas lutas”, escreveu o canadense. Já Patrick Cotê usou da ironia e fez um trocadilho em seu desabafo. “Ainda esperando meu dinheiro do patrocínio da minha última luta em setembro. A paciência vai acabar em breve. Pague os lutadores (“Pay the fighters”, no original)”, publicou.

Esta não é a primeira vez que a “Fear the Fighter” se envolve em uma polêmica devido a problemas com o pagamento de patrocínio de atletas do UFC. No ano passado, Akira Corassani e Eric Apple haviam se manifestado publicamente cobrando valores não recebidos relativos a seus contratos. Na ocasião, a empresa se defendeu dizendo que o problema havia sido causado pelos empresários dos atletas, que teriam atrasado o envio das notas relativas ao pagamento.

Até o momento, no entanto, a “Fear the Fighter” não se posicionou oficialmente sobre as cobranças de Mousasi, Story e Cotê. Situações como essa devem estar com os dias contados no UFC, já que a partir do dia 6 de julho de 2015 entre em vigor o novo contrato entre a organização e a Reebok – que veta a exibição de outros fornecedores de material esportivo no octógono e ao mesmo tempo garante aos lutadores o repasse de parte dos valores do acordo referente ao seu posicionamento no ranking oficial.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments