Lutador do UFC chama Estado Islâmico de ‘maricas’ e declara guerra ao terrorismo

Ex-militar Tim Kennedy divulgou longo desabafo disse que o grupo só ataca 'jornalistas desarmados, mulheres e crianças'

Kennedy serviu ao exército dos EUA no Iraque durante a década de 2000. Foto: Reprodução

Kennedy serviu ao exército dos EUA no Iraque durante a década de 2000. Foto: Reprodução

Desde os atentados terroristas que mataram dezenas de pessoas em Paris no último mês de novembro, as atenções do mundo, especialmente do Ocidente, com o terrorismo foram redobradas e o principal alvo é o grupo Estado Islâmico. Apesar da grandeza do grupo que hoje controla parte dos territórios da Síria e do Iraque, o lutador do UFC Tim Kennedy, ex-militar do exército norte-americano, resolveu rasgar o verbo e ‘declarar guerra” ao califado.

Veja Também

‘Melhor amigo’, Dana admite: ‘Ver Ronda perder daquele jeito foi difícil’
‘Se lutasse com Jesus, daria uma surra nele’, diz McGregor
McGregor promete nocautear Aldo e depois conquistar cinturão dos leves

“O que deve verdadeiramente assustar vocês é que as pessoas aqui, elas acreditam na América, nos ideais que defendemos, estão dispostas a morrer por eles e gostariam de desfrutar de uma luta contra um bando de maricas como vocês”, escreveu Kennedy, em um longo desabafo. “Eu não estou me escondendo, não tenho medo e não estou sozinho”, completou.

Aos 36 anos, Tim Kennedy possui um cartel profissional no MMA de 18 vitórias e cinco derrotas. Duas vezes ex-desafiante ao cinturão do Strikeforce, tendo sido derrotado por Ronaldo Jacaré e Luke Rockhold, Kennedy perdeu sua invencibilidade no Ultimate em sua última luta, em setembro de 2014, em uma derrota bastante contestada para Yoel Romero. Desde então, o ex-militar tem feito pouca questão de voltar ao octógono, especialmente devido ao novo acordo entre o UFC e a marca de material esportivo Reebok.

Confira abaixo o desabafo de Kennedy:

As coisas vão mudar. Nos últimos anos vocês foram ficando confortáveis com a maneira como enfrentamos vocês. essa é a questão. Nós tivemos que operar com limitações de policiamento, regras de engajamento e da Convenção de Genebra. O maior erro de vocês é achar que essas regras serão aplicadas se vocês nos desafiarem nos EUA.

Vocês sabem lutar contra jornalistas desarmados, mulheres e crianças. Os que nos desejam fazer mal precisam entender que não será assim aqui. A coisa vai ficar feia rapidamente. Esse é o País que dominou Iwo Jima, invadiu a Normandia, fez o primeiro avião e pisou na lua primeiro. Tem mais armas aqui do que no resto do mundo junto.

O que deve verdadeiramente assustar vocês é que as pessoas aqui, elas acreditam na América, nos ideais que defendemos, estão dispostas a morrer por eles e adorariam desfrutar de uma luta contra um bando de maricas como vocês.

PS: Eu não estou me escondendo, não tenho medo e não estou sozinho

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments